Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da ação protetora de varespladib (LY315920), um inibidor de fosfolipase A2, sobre os efeitos hemorrágico e proteolítico do veneno de Lachesis muta rhombeata (Surucucu Sul-Americana)

Processo: 20/11268-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2021
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Toxicologia
Pesquisador responsável:Rafael Stuani Floriano
Beneficiário:Pamella Godinho Gutierres
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE). Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Envenenamento   Neutralização   Lachesis muta   Surucucu   Estratégias terapêuticas   Experimentação animal   Histopatologia   In vivo   Técnicas in vitro

Resumo

Envenenamentos por Lachesis são caracterizados por manifestações clínicas como mionecrose local e sistêmica, insuficiência renal, hemorragia, coagulopatia e hipotensão. O tratamento do envenenamento laquético está condicionado à soroterapia e existem poucos registros acerca do uso de outras estratégias terapêuticas. Estudos recentes têm mostrado que varespladib (LY315920), um inibidor de fosfolipase A2 (PLA2), pode ser empregado como um potencial agente coadjuvante à soroterapia em envenenamentos por viperídeos e elapídeos. Neste projeto, propomos avaliar a ação protetora de varespladib, associado ou não ao soro polivalente anti-Bothrops/Lachesis, sobre a ação hemorrágica e proteolítica do veneno de Lachesis muta rhombeata (Surucucu Sul-Americana) em modelos de experimentação animal in vitro e in vivo. Para os protocolos in vitro, a ação inibitória de varespladib, associado ou não ao antiveneno, sobre a ação enzimática (PLA2 e proteases) do veneno de L. m. rhombeata será avaliada por espectrofotometria, incluindo a ação destes agentes sobre o tempo de coagulação para protrombina, trombina e tromboplastina parcial ativada em plasma citratado de rato usando kits para coagulometria. Para os protocolos in vivo, a ação inibitória de ambos os agentes sobre o efeito hemorrágico do veneno de L. m. rhombeata será avaliada por indução de halo hemorrágico subcutâneo em ratos. Em adição, a miotoxicidade local e sistêmica será avaliada em ratos divididos em seis grupos experimentais: (1) controle 'salina', (2) veneno, (3) varespladib , (4) veneno + varespladib, (5) veneno + antiveneno e (6) veneno + varespladib + antiveneno; os animais serão monitorados (temperatura retal, ambulação, ocorrência de hemorragia e formação de edema) nos tempos T0, T30, T60, T90 e T120, seguido por eutanásia para colheita de amostras de sangue destinadas para a análise de liberação de creatina quinase (CK) plasmática, incluindo amostras do músculo gastrocnêmio contralateral para a análise histopatológica. Os resultados deste estudo contribuirão para o entendimento da ação terapêutica de varespladib sobre os efeitos induzidos pelo envenenamento laquético.