Busca avançada
Ano de início
Entree

Fronteiras políticas e epistemológicas: as obras gramaticais e o ensino de língua portuguesa na Escola Normal de São Paulo entre 1880 e 1900

Processo: 20/06753-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2021
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2023
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Fundamentos da Educação
Pesquisador responsável:Carlota Josefina Malta Cardozo dos Reis Boto
Beneficiário:Bruna Soares Polachini
Instituição-sede: Faculdade de Educação (FE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/26699-4 - Saberes e práticas em fronteiras: por uma história transnacional da educação (1810-...), AP.TEM
Assunto(s):História da educação   Século XIX

Resumo

Ao longo do século XIX, centenas de obras gramaticais de língua portuguesa publicadas no Brasil e em Portugal chegaram às mãos de estudantes brasileiros. Partindo desse cenário, pretendo neste projeto de pós-doutorado, vinculado ao Projeto Temático Saberes e práticas em fronteiras: por uma história transnacional da educação (1810-...) no eixo 1 Arquivos digitais e bibliotecas: história do livro e da leitura, investigar um conjunto circunscrito de obras gramaticais que foram selecionadas para compor o acervo da biblioteca da Escola Normal de São Paulo entre 1880 e 1900, com o objetivo de desenvolver uma análise do conteúdo desses livros e, sobretudo, a relação desse corpus bibliográfico com o ensino de língua portuguesa ministrado nessa escola, responsável por formar os futuros professores de língua portuguesa em diversas escolas da Província de São Paulo. Embora as gramáticas não tenham feito parte dos primeiros títulos trazidos da França, em 1883, por Paulo Bourroul, que deram início à história dessa biblioteca, localizei em seu acervo, hoje pertencente à Faculdade de Educação da USP, 13 obras gramaticais oitocentistas. Este projeto visa investigar o momento de chegada dessas obras na Escola Normal de São Paulo, lançando luz ao modo pelo qual o ensino de língua portuguesa ocorria diante da recorrente entrada e saída de professores que se dava em compasso com as recorrentes mudanças partidárias no conturbado cenário político do fim Império e início da República. Para tanto, com base em Lauwers (2004), dividirei minha análise em fatos discretos, aqueles vistos a olho nu, e fatos globais, que só podem ser vistos a partir da relação entre fatos discretos, a fim de compreender como cada uma dessas esferas, biblioteca, ensino e política, atuavam de modo interdependente no contexto educacional paulista do século XIX.