Busca avançada
Ano de início
Entree

Potencial vacinal de vírus Oropouche recombinante sem as proteínas não estruturais NSm e NSs (OROV delta_NSm/delta_NSs): avaliação de imunogenicidade e efeito protetor contra desafio em modelo experimental murino

Processo: 20/16424-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2021
Vigência (Término): 31 de março de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Eurico de Arruda Neto
Beneficiário:Mateus de Vita Mendes Cruz
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Arbovirus   Vacinas   Virologia

Resumo

O vírus Oropouche (OROV), pertencente à família Peribunyaviridae, ordem Bunyavirales e gênero Orthobunyavirus, é um dos arbovírus emergentes mais frequentes do Brasil. OROV foi documentado em território nacional pela primeira vez em 1960 e desde então houve mais de 500 mil casos e 30 surtos registrados na Amazônia legal. Desde os anos 2000 tem se expandido para outras regiões além da Região Norte, com casos no Sudeste, no Centro-Oeste e no Nordeste. Além disso, a doença causada pelo vírus - a febre do Oropouche - apresenta semelhanças clínicas com outras arboviroses sazonais, dificultando o seu diagnóstico etiológico e a sua diferenciação diante de casos de Dengue, Zika, ou Chikungunya, por exemplo. Isso revela uma subestimativa do número de infecções e um elevado potencial emergente do vírus para causar epidemias futuras. O OROV é um vírus de RNA de polaridade negativa composto por um genoma segmentado (S, M e L) que codifica proteínas estruturais e não estruturais (NSs e NSm). Estudos publicados sobre vírus da mesma família, e até do mesmo sorogrupo - como o vírus Schamllenberg (SBV) - demonstraram a eficácia e a segurança de vírus mutante deletado para as proteínas não estruturais como candidato a vacina. Em diferentes modelos animais, vírus DNSm/DNSs desencadeou efeito protetor e imunogênico, sem causar doença. Ademais, dados preliminares do nosso laboratório em modelo murino demonstraram que há grande redução na letalidade de animais inoculados com o vírus OROV DNSm/DNSs quando comparados com os inoculados com OROVr WT. Portanto, propõe-se avaliar o uso potencial do OROV recombinante sem as proteínas não estruturais (OROVDNSm/DNSs) como candidato a vacina para prevenção da infecção experimental em modelo murinho. Avaliaremos o potencial imunogênico pela produção de anticorpos neutralizantes, e a capacidade de proteger contra desafio com o vírus selvagem. Busca-se, assim, contribuir para a compreensão das bases biológicas de NSm e de NSs como potencial alvo para desenvolver alternativas de prevenção da doença causada pelo vírus Oropouche.