Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos mediadores inflamatórios e óxido nítrico em plasma de pacientes sépticos submetidos ao tratamento com azul de metileno

Processo: 21/01195-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2021
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Maria Auxiliadora Martins
Beneficiário:Bruno Cesar Petroski Moraes
Instituição-sede: Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência (FAEPA). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HCMRP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/26553-0 - Estudo prospectivo, randomizado, controlado por placebo sobre os efeitos hemodinâmicos e metabólicos do azul de metileno no choque séptico, AP.R
Assunto(s):Medicina intensiva   Unidades de terapia intensiva   Choque séptico   Mediadores da inflamação   Azul de metileno   Óxido nítrico

Resumo

O choque séptico é a causa mais comum de óbito em unidade de terapia intensiva de todo o mundo e a terapêutica precoce comprovadamente reduz a mortalidade. Apesar de alguns avanços recentes no diagnóstico, monitoramento e terapêutica, a taxa de mortalidade permanece elevada. É uma disfunção orgânica com risco de vida devido a uma resposta desregulada do hospedeiro à infecção. Caracteriza-se por vasodilatação arterial, aumento de permeabilidade capilar e hipoperfusão tecidual sistêmica, que se não tratadas rapidamente pode evoluir para falência de múltiplos órgãos e morte. Alguns estudos de revisão, estudo piloto e relatos de caso já demonstraram benefício da associação do uso do azul de metileno como agente coadjuvante para o tratamento da vasodilatação resultante do choque séptico. Porém, a maioria destes estudos não foram realizados nas primeiras horas da instalação do choque séptico. O objetivo deste trabalho é determinar se a administração de azul de metileno em pacientes na fase precoce do choque séptico leva a uma resolução do choque em comparação com o tratamento convencional. Trata-se de um ensaio clínico randomizado controlado com placebo com um cálculo amostral que permitirá evidenciar diferenças na resolução do choque séptico entre os grupos de 30%.