Busca avançada
Ano de início
Entree

Scaffold de quitonasa com liberação de sinvastatina sobre o processo de reparo ósseo em defeitos de tamanho crítico: estudo pré-clínico em calvária de ratos

Processo: 20/13352-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2021
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Juliano Milanezi de Almeida
Beneficiário:Bianca Bialon Carvalho de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Assunto(s):Regeneração óssea   Tecidos suporte   Sinvastatina   Osteocalcina   Proteína morfogenética óssea 7   Avaliação pré-clínica de medicamentos   Imuno-histoquímica   Modelos animais

Resumo

A regeneração óssea de defeitos extensos é um grande desafio tanto na odontologia quanto na área médica. O ganho de volume considerável de tecido ósseo é, muitas vezes, crítico para o sucesso na reabilitação proposta. Nesse aspecto, a engenharia tecidual tem ganhado bastante destaque para modular e sustentar a regeneração. Nesse projeto, um scaffold de quitosana em associação com sinvastatina será avaliado com objetivo de identificar seu potencial de reparo ósseo em defeitos de tamanho críticos criados (CSD) cirurgicamente na calvária de ratos. Sessenta ratos machos (Rattus norvegicus albinus, Wistar) serão utilizados. No dia 0, um defeito de 5-mm de diâmetro será cirurgicamente criado na calvária dos animais, os quais serão randomicamente divididos em 3 grupos experimentais (n=20) de acordo com os tratamentos propostos. Grupo coágulo, CSD será preenchido por coágulo sanguíneo; grupo Bio-Oss®, CSD será preenchido com 12 ¼g do substituto ósseo bovino desproteinizado Bio-Oss®; grupo QT-SV, CSD será preenchido com com scaffold de quitosana-cálcio com liberação de sinvastatina. Dez animais de cada grupo serão eutanasiados aos 15 e 30 dias após a cirurgia. Os espécimes serão coletados em bloco, fixados em solução de formaldeído tamponado por 48 h e submetidos a processamento histológico com desmineralização e inclusão em parafina. Corte semi-seriados de 4 ¼m de espessura serão obtidos da região correspondente ao centro do defeito e submetidos a coloração com Hematoxilina e Eosina para análise histológica e histométrica da porcentagem de tecido ósseo neoformado (PTON), e processamento imunoistoquímico para detecção de proteína morfogenética óssea 7 (BMP7) e osteocalcina (OCN). Os dados serão coletados e estatisticamente analisados (p d 0,05).