Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da enzima aldeído desidrogenase 2 e de aldeídos reativos nas respostas anabólicas, ativação de células satélites e reparo de dano muscular após exercício de força: um estudo com portadores da mutação do gene ALDH2

Processo: 20/08964-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2021
Vigência (Término): 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Guilherme Giannini Artioli
Beneficiário:Wagner Ribeiro Pereira
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte (EEFE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Genética médica   Aldeídos   Aldeído desidrogenase   Carnosina   Mutação

Resumo

Aldeído desidrogenase 2 (ALDH2) é uma importante enzima envolvida nos processos de detoxificação de aldeídos reativos. Cerca de 40% da população asiática apresenta mutação no gene ALDH2, podendo acarretar em inatividade da enzima ALDH2, resultando em redução da detoxificação de aldeídos reativos. Evidências recentes indicam que aldeídos tóxicos provindos da peroxidação lipídica podem interferir na ativação das células satélites, que são células troncos presentes no músculo esquelético e que desempenham importantes funções no reparo deste tecido após dano muscular. Estudos recentes apontam que alguns dipeptídeos que contêm histidina, dentre eles a carnosina, podem participar da neutralização desses aldeídos. Partindo desse pressuposto, o presente estudo tem por objetivo avaliar se indivíduos com a mutação do gene ALDH2 apresentam alterações na resposta anabólica muscular, na ativação de células satélites e na recuperação do dano muscular induzido pelo treino de força. Serão recrutados 40 jovens saudáveis do sexo masculino, que serão alocados em dois grupos diferentes de acordo com o genótipo apresentado. Os grupos serão formados por indivíduos sem atividade da enzima ALDH2 (homozigotos para ALDH2*2, ALDH2*3, ALDH2*4, ALDH2*5, ALDH2*6 ou ALDH2*7; n=20) e indivíduos que apresentam a atividade da enzima ALDH2 (homozigotos para ALDH2*1; n=20). Os voluntários serão avaliados quanto à força dinâmica máxima para membros inferiores (teste de 1RM leg-press), força isométrica máxima, composição corporal e consumo alimentar. Amostras de sangue venoso serão coletadas para o isolamento do DNA genômico, quantificação das enzimas musculares creatina quinase (CK) e lactato desidrogenase (LDH) e quantificação das concentrações de acetaldeído após o consumo de bebida alcoólica. Para a quantificação de adutos de carnosina-aldeídos, será coletada uma amostra de urina. Os voluntários serão submetidos aos procedimentos de biópsia para a retirada de uma amostra do músculo vasto lateral com a finalidade de mensurar os seguintes parâmetros: ativação de células satélites e das vias de hipertrofia, morfologia dos sarcômeros, atividade da enzima ALDH2, função mitocondrial, conteúdo intramuscular de carnosina, concentração de adutos carnosina-aldeídos no músculo esquelético. Em seguida, os participantes serão submetidos à uma sessão de treino de força para membros inferiores objetivando à indução de microlesões. Após o término da sessão de treino, estes mesmos parâmetros serão novamente avaliados. Os dados serão analisados por meio de modelos mistos. O nível de significância adotado será de p<0,05. (AU)