Busca avançada
Ano de início
Entree

Megaempreendimentos populares: novos agentes, estratégias e reestruturação do espaço na São Paulo contemporânea

Processo: 20/15267-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2021
Vigência (Término): 30 de abril de 2025
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Planejamento Urbano e Regional - Fundamentos do Planejamento Urbano e Regional
Pesquisador responsável:Maria Beatriz Cruz Rufino
Beneficiário:Isadora Fernandes Borges de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Habitação   Produção do espaço   Reestruturação urbana

Resumo

No início do século XXI diversos trabalhos revelaram transformações no processo de acumulação capitalista sob domínio das finanças e seus imbricamentos com a política habitacional, a produção do espaço e de moradias no Brasil. A profunda transformação pela qual passaram os agentes do setor assim como suas estratégias de produção iluminaram importante dinâmica de centralização do capital nas grandes incorporadoras, bem como a expansão da atuação geográfica destas e dos processos de valorização. Com a crise político-econômica a qual o país adentrou a partir de 2014 se processam mudanças significativas. Quais os desdobramentos deste fato frente ao processo de financeirização habitacional é definido como a questão que norteia esta pesquisa. Parte-se da hipótese que o contexto de crise deu novo sentido aos processos de mercantilização da moradia engendrados anteriormente, verificando no atual período a diversificação das dinâmicas de centralização do capital que se concretizam pela intensificação dos investimentos em grandes complexos imobiliários populares na maior metrópole do país, implicando em novos processos de reestruturação urbana, que ampara-se em instrumentos financeiros sofisticados e estímulos urbanísticos, possibilitando novos patamares de acumulação que exacerbam as desigualdades socioespaciais e iluminam novas contradições. Para seu desenvolvimento adota-se três grandes empreendimentos populares realizados por diferentes Grupos Econômicos - Incorporadoras, Fundos de Investimento e Grupos Industriais - como estudos de caso explorados a partir de três eixos analíticos centrados na reorganização dos agentes da produção imobiliária, suas estratégias e mecanismos financeiros bem como suas dinâmicas espaciais, sendo esta última observada pela ótica dos processos de reestruturação do espaço urbano que impulsionam a metropolização do espaço. (AU)