Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção de blendas poliméricas de PHBV/amido termoplástico

Processo: 22/00440-0
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2022
Vigência (Término): 31 de março de 2023
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Ana Paula Lemes
Beneficiário:João Lucas de Souza Barros
Instituição Sede: Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São José dos Campos. São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Materiais termoplásticos   Reações orgânicas em meio aquoso   Biodegradação   Blendas   Ensaios mecânicos   Microscopia eletrônica de varredura   Varredura diferencial de calorimetria
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:amido termoplástico | biodegradação | Blendas Poliméricas | Poli(3-hidroxibutirato-co-3-hidroxivalerato) | Blendas biodegradáveis

Resumo

O desenvolvimento de materiais poliméricos biodegradáveis tem sido impulsionado pelos problemas ambientais decorrentes do descarte inadequado de materiais poliméricos que apresentam um longo tempo de degradação. A substituição desses polímeros por polímeros biodegradáveis possui como principal empecilho os fatores econômicos, já que eles apresentam custos maiores se comparados aos polímeros convencionais, mas também pelas propriedades ainda não adequadas dos polímeros biodegradáveis para algumas aplicações. Dentre os polímeros biodegradáveis, se destaca o poli (3-hidroxibutirato-co-3-hidroxivalerato) (PHBV), pertencente à família dos PHA. O PHBV tem um grande potencial de aplicação na área médica e em diversos setores industriais, dentre eles a indústria de embalagens. Porém, o PHBV ainda apresenta algumas limitações para o uso, como baixa resistência mecânica e alto custo. Desse modo, é interessante a produção de blendas poliméricas com outros polímeros biodegradáveis, por exemplo o amido termoplástico (TPS), que tem despertado grande interesse industrial e acadêmico graças à sua abundância, renovabilidade, biodegradabilidade, baixo custo e fácil manuseio. Assim, blendas de PHBV/TPS são uma ótima alternativa, uma vez que a introdução de amido termoplástico pode promover uma diminuição dos custos do material final, aumento da taxa de biodegradação e alterações nas propriedades mecânicas e térmicas que aumentem seu potencial de aplicação. A partir disso, as blendas de PHBV, PHBV-g-AM e TPS serão produzidas em uma extrusora, com concentrações de TPS de 20, 40 e 60%(m/m). Os corpos de prova serão preparados por moldagem por compressão com aquecimento e caracterizados por microscopia eletrônica de varredura (MEV), ensaio mecânico de impacto, ensaio mecânico de tração, calorimetria exploratória diferencial (DSC), ensaio de absorção de água e ensaio de biodegradação em meio aquoso. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)