Busca avançada
Ano de início
Entree

O metabolismo de túbulos renais de Drosophila na presença de cristais de oxalato de cálcio

Processo: 22/01226-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2022
Vigência (Término): 30 de novembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Niels Olsen Saraiva Câmara
Beneficiário:Orestes Foresto Neto
Supervisor no Exterior: Michael F. Romero
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa: Mayo Clinic, Minnesota, Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:19/02893-9 - O fator induzido por hipóxia 1 alfa (HIF-1 alfa) e o metabolismo de células epiteliais tubulares e podócitos no desenvolvimento e na progressão da doença renal experimental, BP.PD
Assunto(s):Nefropatias   Drosophila melanogaster   Metabolismo celular   Nefrolitíase   Oxalato de cálcio   Túbulos renais   Nefrologia

Resumo

O aumento repentino dos níveis séricos de oxalato pode resultar na formação de cristais de oxalato de cálcio (CaOx) nos rins, que é uma causa bem conhecida de lesão renal. Foi relatado que a ativação do inflamassoma NLRP3, a necroptose via complexo RIPK3-MLKL e o dano mitocondrial estão envolvidos na lesão tubular relacionada ao CaOx. Alterações no metabolismo das células renais também podem participar da patogênese da nefropatia por CaOx. Dados preliminares de nosso laboratório mostraram que células epiteliais tubulares proximais expostas a cristais de CaOx apresentaram redução da respiração mitocondrial, com concomitante aumento da capacidade de glicólise. No entanto, o link entre alterações no metabolismo celular e dano tubular na nefropatia por CaOx permanece incerto. A mosca Drosophila melanogaster desenvolve cristais de CaOx nos túbulos de Malpighi pela suplementação de oxalato na dieta e pode ser facilmente modificada geneticamente, sendo um modelo rápido para o estudo da nefrolitíase. Neste projeto, propomos: (i) avaliar o metabolismo das células do túbulo de Malpighi frente à cristalização de CaOx; (ii) investigar se alterações nas vias metabólicas interferem na inflamação/lesão nas células tubulares; e (iii) verificar o impacto da deleção de genes relacionados ao metabolismo das células tubulares de Drosophila no dano tubular induzido por CaOx e no reparo tecidual. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)