Busca avançada
Ano de início
Entree

Consórcio de feijão guandu com pastagens como estratégia de mitigação de GEE

Processo: 22/03474-2
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2022
Vigência (Término): 30 de abril de 2023
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Pesquisador responsável:Paulo Henrique Mazza Rodrigues
Beneficiário:Jaqueline Fernandes Bruno
Instituição Sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/20084-5 - Práticas estratégicas para mitigação das emissões de gases de efeito estufa em sistemas de pastagem do Sudeste brasileiro, AP.PFPMCG.TEM
Assunto(s):Nutrição animal   Produção animal   Bovinocultura de corte   Gases do efeito estufa   Emissão de gases   Prevenção e mitigação   Pastagem consorciada
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Bovinocultura de corte | Consorcio | Feijão Guandú | Gee | Mitigação | Nutrição | Nutrição e produção animal e mitigação de emissões de gases de efeito estufa

Resumo

A mitigação das emissões de gases de efeito estufa (GEE) se tornou uma questão muito popular principalmente nas últimas décadas, devido ao elevado acúmulo dessas emissões, contribuindo com o aquecimento global. A produção de ruminantes representa cerca de 83% de toda a pecuária brasileira, com cerca de 214,7 milhões de cabeças de bovinos. Os ruminantes, através da fermentação entérica são produtores de um dos principais GEE, o metano (CH4), o que elevou o número de pesquisas que buscam a redução das emissões de CH4 na atmosfera. Ao submeter bovinos a situações desfavoráveis, eles tendem a se tornarem ineficientes e emitir mais GEE. Desta maneira, a intensificação e o equilíbrio nutricional adequado das dietas são boas estratégias para fazer com que os bovinos emitam menos CH4. Como estratégia de mitigação de CH4, este projeto propõe o uso combinado da leguminosa (cv. BRS Mandarim) e gramínea, sendo a intensificação da produção e o melhor uso da terra os grandes responsáveis pelo efeito de minimizar as emissões. A leguminosa traz benefícios como a fixação biológica de nitrogênio, além de que no período de estiagem a leguminosa serve como um banco de forragem, proporcionando também melhor suprimento nutricional quando comparada às gramíneas no período de seca. Da mesma forma, o projeto avalia o desempenho, consumo de matéria seca, produção de CH4, fermentação ruminal pela técnica ex situ para quantificar AGCC e metano entérico, pH ruminal, degradabilidade, caracterização em bovinos Nelore machos, divididos em três tratamentos com três repetições de área: 1) pasto com mistura de Urochloa (Brachiaria) decumbens Stapf (cv. Basilisk) e Urochloa (Brachiaria) brizantha (Hochst ex A. Rich) Stapf (cv. Marandu) (REC); 2) pastagem degradada de Urochloa decumbens Stapf (cv. Basilisk) (DEG) e 3) pastagem com mistura de Urochloa (Brachiaria) decumbens Stapf (cv. Basilisk) e Urochloa (Brachiaria) brizantha Stapf cv. Marandu consorciada com Cajanus cajan (L. Millsp.) (cv. BRS Mandarim) (GUA). As pastagens foram submetidas a ajustes de lotação com quantidades variáveis de animais, utilizando a técnica de "put and take", com um número variável de animais "reguladores' com o objetivo de manter a altura intermediária para cada espécie forrageira. Foi utilizado um número experimental de 36 novilhos "testers" pesando aproximadamente 280 kg e com 15-16 meses, sendo distribuídos aleatoriamente nos diferentes tipos de sistemas, 3 animais desempenho, sendo 2 para mensuração de CH4, e um fistulado para o cálculo do consumo de matéria seca, produção de AGCC, degradabilidade, pH ruminal. As coletas de forragem e a pesagens dos animais até o momento acontecem mensalmente, e a dosagem de CH4 é realizada pela técnica do gás traçador com hexafluoreto de enxofre (SF6), sendo feita uma mensuração na época chuvosa de janeiro, enquanto a que a outra mensuração ocorre na época das secas de junho. As aferições de consumo de suplemento são realizadas uma vez ao mês logo após as pesagens. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)