Busca avançada
Ano de início
Entree

Dispersão de plantas nos Neotrópicos, associando caracteres dos frutos e intercâmbio biótico dentro e fora dos Neotrópicos: biogeografia de Bocageeae (Annonaceae)

Processo: 22/08659-0
Modalidade de apoio:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2022
Vigência (Término): 31 de março de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Pesquisador responsável:Lúcia Garcez Lohmann
Beneficiário:Jenifer de Carvalho Lopes Dantas
Supervisor: Thomas Couvreur
Instituição Sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa: Institute de Recherche pour le Développement, Occitanie (IRD), França  
Vinculado à bolsa:18/11272-5 - Filogenômica e biogeografia de Bocageeae (Annonaceae), tribo tropical anfiatlântica e atlânticoamazônica, BP.PD
Assunto(s):Amazônia   Biogeografia   Filogenia   Neotrópico
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Amazonia | Boreotropics | divergence times | diversification rates | phylogenomics | Biogeografia

Resumo

Os Neotrópicos são a região de maior riqueza de espécies do mundo e são consideradas uma máquina de diversidade de plantas para o planeta, porque espécies deixando os trópicos das Américas execederam em muito a imigração durante o Cenozoico. Então, os intercâmbios bióticos tiveram um importante papel para a assembleia Neotropical. Apesar de que alguns componentes importante da flora Neotropical foram hipotetizados como de origem Paleotropical por meio da geodispersão pela conexão boreotropical. A maior parte das plantas lenhosas tropicais dispersam suas sementes por meio de animais comedores de frutos. No entanto, a dispersão a longa distância é rara e depende de megafauna frugívora com amplo território ou de frugívoros voares fortes. Os primeiros preferem frutos grandes, verdes ou marrons e frutos do tipo sincarpos, a sindrome dos mamíferos; já os últimos são atraidos por sementes pequenas, com frutos de exocarpo liso, deiscentes ou moniliformes e/ou frutos caulifloros, a síndrome de aves ou morcegos. Na tribo Bocageeae, uma linhagem pertencente a família de plantas Annonaceae, ambos os tipos de frutos estão presentes. Bocageeae compreende 66 espécies, distribuídas em oito gêneros. Enquanto a maioria dos gêneros são exclusivamente Neotropicais, Mkilua é um gênero monotípico e endêmico do Leste da África. A origem de Bocageeae é provavelmente Paleotropical. Sua assembleia envolve intercâmbios bióticos tanto intercontinentalmente quanto dentro dos Neotrópicos entre diferentes regiões. Essa alta habilidade de dispersar pode ter ser explicada pela diversidade de caracteres nos frutos. Então, Bocageeae é um bom estudo de caso para entender como os intercâmbios bióticos, associados com as características das plantas para dispersar ajudaram a formar a imensa biodiversidae nos Neotrópicos. Nós testaremos qual síndrome de dispersão está relacionada à dispersão intercontinental e qual está relacionada às dispersões dentro dos Neotrópicos. Testaremos se essas transformações de caracteres do fruto estão relacionadas com mudanças nas taxas de diversificação. Para isso nós (1) estimaremos o tempo de divergência e reconstruiremos a filogenia de Bocageeae utilizando centenas de loci selecionadas por enriquecimento direcionado com os kits de baits tanto de Annonaceae quanto Angiosperm 353 seguido por sequenciamento de nova geração; (2) reconstruiremos a evolução dos estados ancestrais para os caracteres de fruto associados a dispersão por longa distância; (3) testaremos se as mudanças nas taxas de diversificação estão associadas com alguma característica de fruto; (4) reconstruiremos as áreas ancestrais de Bocageeae. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)