Busca avançada
Ano de início
Entree

Malária aviária: caracterização morfológica e molecular (citocromo b) em diferentes biomas sul americanos

Processo: 22/07897-5
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2022
Vigência (Término): 31 de maio de 2026
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Karin Kirchgatter Hildebrand
Beneficiário:Carolina Clares dos Anjos
Instituição Sede: Instituto Pasteur (IP). Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Aves silvestres   Biologia molecular   Malária aviária   Plasmodium
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Aves silvestres | Biologia molecular | Hemosporideos | malária aviária | Parasitologia | Plasmodium | Parasitologia

Resumo

Determinar localmente a prevalência e a dinâmica de transmissão de organismos parasitas é importante para entender sua capacidade de persistir nas populações hospedeiras e se dispersar pelas regiões. A malária aviária (Plasmodium) e parasitas hemosporídeos relacionados (Haemoproteus e Leucocytozoon) são um grupo cosmopolita de protozoários recuperados de todos os principais grupos de aves e todas as regiões zoogeográficas, exceto Antártida. Neste estudo, vamos identificar e classificar linhagens e espécies de hemosporídeos por análise microscópica e molecular (DNA barcoding) em aves silvestres residentes e migratórias de biomas do Brasil (Mata Atlântica e Pantanal) e Argentina (bioma Andino patagônico). Análises filogenéticas serão também realizadas com as sequências encontradas. A presença de parasitas pode influenciar nos processos ecológicos e comportamentais de aves silvestres, incluindo modificações no voo, sucesso reprodutivo, tamanho da ninhada, migração, capacidade de competição e forrageamento. Entretanto, o estudo da malária em aves é importante não só pelos aspectos ecológicos e de conservação como também está inserido na abordagem 'One Health'. Mais do que nunca, agora sabemos que a gama de patógenos estudados precisa ser ampliada e o quão importante é conhecer a frequência com que ocorrem na natureza.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)