Busca avançada
Ano de início
Entree

As poltronas Art Déco do Jockey Club de São Paulo

Processo: 22/15653-9
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2023
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2023
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Fundamentos e Crítica das Artes
Pesquisador responsável:Angela Brandão
Beneficiário:Luiz Henrique Otto de Santana Filho
Instituição Sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):Art deco   História do design   História da arte
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Art Déco | História do Design | História do Mobiliário | História do Móvel no Brasil | Jockey Club de São Paulo | História da Arte

Resumo

Apenas cinco anos após sua inauguração em 1941, o Jockey Club de São Paulo (ou Hipódromo Cidade Jardim), projetado originalmente pelo arquiteto carioca Elisário Bahiana (Rio de Janeiro, 1891 - São Paulo, 1980), foi submetido a uma reforma quase total sob os trabalhos do arquiteto francês Henri Sajous (Bordeaux, 1897 - Nice, 1975), que o transformou no maior complexo Art Déco, em área ocupada, do mundo. Aplicando elementos requintados e classicizantes, buscava-se uma ampliação moderna, que equalizasse esteticamente esse espaço de sociabilidade com o status de seus frequentadores, membros da elite de São Paulo da primeira metade do século XX. A reforma foi pensada na lógica da Gesamtkunstwerk (do alemão, "obra de arte completa"), característica encontrada em um de seus últimos momentos, onde não somente a estrutura dos diversos edifícios é levada em consideração no projeto, mas também os detalhes de seu interior. Deste modo, nos oito dos doze anos em que Henri Sajous se dedicou às obras do Jockey Club de São Paulo (JCSP), foram realizadas por ele diversas intervenções ornamentais, incluindo o desenho de peças de mobiliário exclusivas para o local. O recorte temático desta pesquisa de Iniciação Científica tem como foco as poltronas projetadas por Henri Sajous para os salões nobres do JCSP. Com tapeçarias importadas de Aubusson, França, são influências diretas do mobiliário projetado para o transatlântico de luxo Normandie, citado como uma "versão flutuante" da Exposition Internationale des Arts Décoratifs et Industriels Modernes, de 1925, em Paris.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)