Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de viabilidade de um protótipo de sonda enteral desenvolvido por meio da técnica de magneto-acustografia acoplado ao ultrassom

Processo: 23/11205-4
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2023
Vigência (Término): 30 de setembro de 2024
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem
Pesquisador responsável:Fernanda Raphael Escobar Gimenes de Sousa
Beneficiário:Larissa Gleyciani Verdeli da Silva
Instituição Sede: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/16939-8 - Desenvolvimento e implementação de novas técnicas acústicas, magnéticas e ópticas para aplicações diagnósticas e terapêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Ultrassom
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Enfermagem | Pocus | sonda enteral | ultrassom | Ultrassonografia point-of-care | Vibro-magneto-acustografia | Enfermagem Geral e Especializada

Resumo

O objetivo deste projeto de iniciação científica é avaliar a viabilidade de uma nova tecnologia de imagem denominada magnetoacustrografia, uma combinação de magnetismo com ultrassom, para visualizar o trajeto da sonda de alimentação enteral, bem como a localização da extremidade distal do tubo em tempo real. A primeira etapa consistirá no treinamento do uso da sonda guiada por imagens de magnetoacustografia em um corpo de prova que simula o trato gastrointestinal. Em seguida, será realizada avaliação dos protocolos de imagens de magnetoacustografia com diferentes frequências e amplitude do campo magnético gerado por uma bobina acoplada ao transdutor de ultrassom. Sendo assim, será avaliado um protótipo em desenvolvimento no Laboratório de Ultrassom e Magnetismo (LUMA) do Grupo de Inovação em Instrumentação Biomédica e Ultrassom (GIIMUS) da Universidade de São Paulo. A técnica de magnetoacustografia consiste no uso de técnicas acústicas para o mapeamento de alvos ferromagnéticos sob a ação de um campo magnético oscilante. Neste projeto, a imagem de magnetoacustografia será obtida pela técnica de ultrassom Doppler para mapear as microvibrações da sonda enteral gerada pela força magnética oscilante concebida entre o campo magnético externo e os alvos metálicos fixados na extremidade da sonda. Será usado um ultrassom radiológico da Ultrasonix, modelo Sonix-RP do laboratório LUMA. O transdutor magnetoacústico, em processo de desenvolvimento na GIIMUS, consistirá de uma bobina em torno do transdutor de Ultrassom energizada com uma fonte de corrente composta por um gerador de sinal e um amplificador de potência. A frequência a ser explorada estará entre 10 e 100 Hz. A amplitude do campo será mantida pela capacidade máxima do amplificador e o campo gerado na região alvo será da ordem de dezenas de mili-Tesla.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)