Busca avançada
Ano de início
Entree

Explorando o papel dos microRNAs derivados do tecido adiposo na evolução da doença hepática gordurosa não alcoólica

Processo: 23/07882-0
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2024
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2026
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Marcelo Alves da Silva Mori
Beneficiário:Stepheny Carneiro de Campos
Instituição Sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:21/08354-2 - A ação recíproca do sistema imune e do metabolismo como principal determinante do processo de envelhecimento, AP.TEM
Assunto(s):Hepatopatia gordurosa não alcoólica   Lipodistrofia   MicroRNAs   Obesidade   Tecido adiposo
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:doença hepática gordurosa não alcoólica | Lipodistrofia | MicroRNAs | obesidade | Tecido adiposo | Tecido Adiposo

Resumo

A doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD) é considerada a manifestação hepática da síndrome metabólica e afeta mais de 25% da população mundial. Devido à sua complexidade e etiologia não completamente elucidada, a NAFLD permanece sem tratamento farmacológico aprovado. A obesidade e a lipodistrofia estão associadas à disfunção do tecido adiposo e ao acúmulo ectópico de lipídeos. Além disso, o tecido adiposo é uma importante fonte de microRNAs circulantes, que atingem múltiplos tecidos participando da comunicação entre órgãos. O perfil dos microRNAs circulantes encontra-se alterado em doenças metabólicas, enfatizando seu possível envolvimento no desenvolvimento e progressão da doença. Portanto, levantamos a hipótese de que tanto a obesidade quanto a lipodistrofia levam à esteatose hepática, no entanto, postulamos que um perfil de microRNA alterado nas vesículas extracelulares secretadas pelo tecido adiposo é necessário para desencadear a progressão da esteatose para esteato-hepatite não-alcoólica. Para abordar essa hipótese, usaremos modelos in vivo (camundongo) e investigaremos o papel dos microRNAs na progressão da NAFLD. Os objetivos específicos são #1: avaliar as alterações induzidas pela obesidade e lipodistrofia no perfil de microRNAs das vesículas extracelulares plasmáticas; #2: investigar se a progressão da esteatose para esteato-hepatite não-alcoólica é dependente de vesículas extracelulares secretadas pelo tecido adiposo e #3: identificar alvos hepáticos associados aos microRNAs plasmáticos alterados e validar o papel desses microRNAs na patofisiologia da NAFLD. Considerando o papel dos microRNAs na expressão gênica e no metabolismo, eles são uma terapia plausível para NAFLD. Identificar os mecanismos moleculares envolvidos na NAFLD é um passo importante para melhorar a abordagem terapêutica e diagnóstica dessa condição.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)