Busca avançada
Ano de início
Entree

Compatibilidade de fungos entomopatogenicos e inseticidas visando ao controle de Shenophorus levis

Processo: 24/03947-3
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2024
Vigência (Término): 31 de março de 2025
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Acordo de Cooperação: Grupo São Martinho
Pesquisador responsável:Ricardo Antonio Polanczyk
Beneficiário:Kelly Cristina Goncalves
Instituição Sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Empresa Sede:Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV)
Vinculado ao auxílio:17/25258-1 - Centro de Pesquisa em Engenharia - Fitossanidade em Cana de Açúcar, AP.PCPE
Assunto(s):Seletividade   Sustentabilidade   Entomologia
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:controle microbiano de pragas | pragas de solo | Seletividade | Sustentabilidade | Entomologia

Resumo

Este trabalho tem como objetivo avaliar a compatibilidade do fungo entomopatogênico e inseticidas no controle de Sphenophorus levis, praga de grande importância para a cultura da cana-de-açúcar. Embora o controle biológico com fungos seja a estratégia mais sustentável em termos ambientais, a severidade desta praga e sua difícil detecção frequentemente resultam em surtos que demandam o uso de inseticidas químicos para a sua rápida supressão. Neste caso, o uso conjunto de inseticidas químicos e biológicos constitui uma estratégia que pode suprimir rapidamente a praga (inseticida) e oferecer um controle a médio prazo, o que evitaria novos surtos da praga (biológico), evitando as perdas econômicas e reduzindo o impacto das estratégias de controle no meio, com a preservação dos serviços ecossistêmicos. Entretanto, para que esta estratégia tenha sucesso, a compatibilidade entre os agentes de controle químico e biológico é essencial, permitindo aumento na eficiência de controle (efeito aditivo ou sinérgico) em relação a aplicação individual dos produtos. Uma forma de predizer esta compatibilidade é a realização de testes in vitro, onde a interação entre os dois agentes de controle será avaliada considerando-se os efeitos do produto químico nos parâmetros biológicos do fungo (germinação, esporulação e tamanho de colônia), obtendo-se assim o índice T de compatibilidade. Estes testes serão complementados com bioensaios de mortalidade da espécie-alvo para elucidar se a compatibilidade biológica resulta em incremento da eficiência de controle. Para este fim será utilizada a correlação de Person (r) como melhor forma de análise.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)