Busca avançada
Ano de início
Entree

Relações entre associação micorrízica e acúmulo de alumínio em espécies lenhosas do Cerrado.

Processo: 23/12430-1
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2024
Vigência (Término): 30 de abril de 2026
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Sara Adrian Lopez de Andrade
Beneficiário:Anna Carolina Gressler Bressan
Instituição Sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Micro-organismos endofíticos   Ecofisiologia vegetal
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Espécies lenhosas do cerrado | Fungos Endofíticos | Fungos Micorrízicos Arbusculares (FMA) | respostas ecofisiológicas | Toxicidade do alumínio (Al) | Ecofisiologia vegetal

Resumo

O alumínio (Al) é o terceiro elemento mais abundante da crosta terrestre, e encontra-se naturalmente presente no solo na forma de óxidos e aluminossilicatos. Entretanto, em solos ácidos, com pH menor que 5, esses minerais podem ser solubilizados e liberar formas potencialmente fitotóxicas, como o Al3+, para a solução do solo. Associações simbióticas entre raízes e microrganismos do solo podem alterar padrões de absorção e acúmulo de Al pelas plantas, aumentando a resistência dos vegetais à toxicidade deste elemento. Fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) atuam na proteção das plantas contra a toxicidade do Al através de mecanismos indiretos, promovendo o aumento da absorção de nutrientes e mudanças na fisiologia das plantas, ou diretos, por meio do sequestro do Al em estruturas intra- e extrarradiculares, reduzindo a absorção deste metal pelos vegetais. A vegetação do Cerrado se desenvolve naturalmente sobre solos ácidos, com pH menor que 4 e alta saturação por Al trocável e as plantas lenhosas nativas deste ambiente podem ser acumuladoras ou não acumuladoras de Al. O presente estudo tem como objetivo avaliar o grau de colonização e a diversidade das comunidades fúngicas associadas às raízes de espécies acumuladoras e não acumuladoras de Al. Além disso, pretende-se avaliar se as comunidades fúngicas associadas às raízes estão envolvidas com o sequestro deste metal, principalmente nas espécies não acumuladoras, pois estas espécies apresentam baixas concentrações de Al em suas folhas, mesmo habitando solos com alta disponibilidade deste elemento.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)