Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do consumo crônico de etanol na progressão da esclerose lateral amiotrófica

Processo: 24/01049-8
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2024
Vigência (Término): 30 de abril de 2025
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Julio Cesar Batista Ferreira
Beneficiário:Luana Pilone da Silva
Instituição Sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Etanol   Inflamação   Mitocôndrias   Degeneração neural   Terapia
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:detoxicação | detoxificação | etanol | ethanol | inflamação | inflammation | metabolismo redox | mitochondria | mitocôndria | neurodegeneração | neurodegeneration | redox metabolism | terapia | therapy | Metabolismo e Bioenergética

Resumo

Atualmente sabe-se que a fisiopatologia da esclerose lateral amiotrófica (ELA) está associada à disfunção mitocondrial, excessiva peroxidação lipídica e consequente acúmulo de aldeídos citotóxicos. Dentre esses aldeídos, pode-se destacar o acetaldeído, um aldeído eletrofílico produzido na mitocôndria capaz de atacar aminoácidos nucleofílicos e formar adutos com proteínas, inativando-as, gerando agregados proteicos e culminando em disfunção celular. Uma das enzimas responsáveis pela eliminação dessa classe de aldeídos é a aldeído desidrogenase 2 (ALDH2), localizada na matriz mitocondrial. Paralelamente, o consumo de etanol e seu consequente metabolismo resulta na produção e acúmulo de acetaldeído em nosso corpo. Após sua ingestão, enzimas álcool desidrogenases (ADH) transformam o etanol em acetaldeído e, subsequentemente, a ALDH2 elimina esses aldeídos, oxidando-os em acetato. O acúmulo de acetaldeído devido ao consumo crônico de etanol causa disfunção mitocondrial neuronal e está associado ao aparecimento de doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer. Contudo, seu papel na fisiopatologia da ELA e na degeneração de neurônios motores ainda não foi relatado. Dessa forma, o objetivo dessa proposta de pesquisa é melhor compreender a possível influência da ingestão crônica do etanol no aparecimento e desenvolvimento da ELA.Para isso, camundongos selvagens e transgênicos portadores da mutação SOD1*G93A (causadora da ELA) receberão diariamente etanol (2g/kg/dia) ou água por gavagem ao longo de 100 dias, iniciando na fase assintomática da doença (40 dias de vida) e finalizando na fase sintomática avançada da ELA (140 dias de vida). Avaliaremos uma série de parâmetros funcionais e bioquímicos em diferentes tecidos (incluindo córtex motor, medula espinhal, músculo esquelético e plasma) dos animais. Para avaliar os parâmetros funcionais locomotores, realizaremos os testes de campo aberto, rotarod, deambulação, labirinto em Y, wire hang e grip strength nos animais. Dentre os parâmetros bioquímicos, analisaremos a expressão proteica e atividade catalítica da enzima ALDH2, formação de adutos 4-HNE-proteina e o metabolismo bioenergético mitocondrial (incluindo consumo de O2 e liberação de H2O2) no córtex motor, medula espinhal e musculatura esquelética (músculos plantar e sóleo). Esse estudo se torna de grande valia uma vez que a compreensão mais detalhada do papel do consumo crônico do etanol no desenvolvimento da ELA poderá contribuir para uma elucidação dos mecanismos neurodegenerativos desencadeados por tal consumo.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)