Busca avançada
Ano de início
Entree

Biodegradação de microcistinas utilizando culturas de bactérias em experimentos BATCH

Processo: 07/58765-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2008
Vigência (Término): 30 de junho de 2009
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:Alessandro Minillo
Beneficiário:Sarah Caetano de Freitas
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/53502-0 - Uso de filtros de carvão granular com atividade biológica para a remoção de microcistinas e matéria orgânica dissolvidas na água durante seu tratamento, AP.JP
Assunto(s):Tratamento de água   Biodegradação   Cianobactérias   Microcistinas

Resumo

O aumento na Incidência de florações de cianobactérias em mananciais de abastecimento representa atualmente uma problemática mundial no continuo fornecimento de água potável. A produção de compostos tóxicos (hepatotoxinas e neurotoxinas) por cianobactérias pode deteriorar a qualidade desta água utilizada para o abastecimento urbano. Esta situação tomou se mais crítica nos últimos anos, em razão do aumento dos florescimentos de cianobactérias em inúmeros mananciais utilizados para o abastecimento público nos pais, decorrentes de sua eutrofização acelerada. Estudos demonstram que as cianotoxinas, especialmente as microcistinas, são suscetíveis a degradação biológica. Tais estudos reportam o uso de microorganismos (bactérias), presentes no sedimento e na água de lagos e reservatórios, capazes de degradarem microcistinas para suprir seu metabolismo. A possibilidade de isolamento e seleção de bactérias, capazes de biodegradarem microcistinas, representa uma importante ferramenta ecotécnologica no controle e remoção desta cianotoxina em sistema de tratamento de água potável. Considerando estes aspectos, o presente projeto tem por objetivos avaliar a remoção de microcistinas utilizando-se culturas de bactérias em sistema "batch' em laboratório, promover o isolamento e identificação (fenotípitica) das bactérias mantidas com microcistina, e avaliar se existe co-metabolismo por estas bactérias quando mantidas com microcistina e suplementos. Este estudo abre a possibilidade de investigar o uso de bactérias presentes em filtros de carvão para a biodegradação de microcistinas, assim com a aplicação destes microorganismos em processos de filtração biológica, sem oferecer riscos à saúde humana na distribuição e consumo destas águas. (AU)