Busca avançada
Ano de início
Entree

Obtenção e caracterização da cerâmica condutora iônica de Bi2O3 dopada com ítria e terras raras

Processo: 98/10250-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 1998
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2000
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Pesquisador responsável:Dulcina Maria Pinatti Ferreira de Souza
Beneficiário:Rafael Agnelli Mesquita
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Condutividade iônica   Eletrólitos

Resumo

Óxido de Bismuto é um material com grande potencial de aplicações dada às suas características elétricas. Em temperatura abaixo de 700°C é um condutor eletrônico. Nesta temperatura sofre uma transição de fase monoclínica para cúbica tornando-se um condutor iônico devido à presença de duas vacâncias de oxigênio por célula unitária. A condutividade iônica é de uma a duas ordens de magnitude superior àquela apresentada peia zircônia. Esta característica é que torna o Bi2O3 uma boa alternativa à zircônia. Porém, a faixa de temperatura em o Bi2O3 se comporta como condutor iônico é pequena pois funde a 825°C. Contudo, as soluções sólidas do Bi2O3 com óxidos de terras raras mantem a estrutura cúbica em temperaturas abaixo de 700°C. É proposto estudar, utilizando espectroscopia de impedância como técnica principal, as soluções sólidas do Bi2O3 com: Yb2O3. Er2O3, Y2O3, Gd2O3 buscando informações sobre a segregação dos íons estabilizantes a exemplo do que ocorre em zircônia. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)