Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da microdureza do esmalte dental bovino após técnicas de clareamento caseiro, de consultório e a associação das técnicas com agentes de alta e baixa concentração de peróxidos

Processo: 08/57684-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Clínica Odontológica
Pesquisador responsável:Marcelo Giannini
Beneficiário:Ana Paula Almeida Ayres
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Esmalte dentário   Clareamento de dente   Microdureza   Peróxido de hidrogênio   Cálcio

Resumo

A utilização do peróxido de hidrogênio nas técnicas de clareamento dental caseiro vem se tornando cada vez mais frequente nos consultórios odontológicos por ser um método simples e eficaz para minimizar ou remover manchas intrínsecas ou extrínsecas dos dentes. Evidências demonstram que o peróxido de hidrogênio é capaz de alterar a composição e morfologia do esmalte dental. Com o intuito de diminuir os efeitos adversos dos agentes clareadores na superfície do esmalte dental, cálcio tem sido incluído na formulação do agente clareador. Assim, o objetivo deste estudo será avaliar o efeito in situ do peróxido de hidrogênio a 4% contendo ou não cálcio no esmalte dental hígido e desmineralizado. Para o estudo serão utilizados 28 dentes bovinos para a obtenção de 112 fragmentos de esmalte (4x4x3mm). Os blocos de esmalte obtidos serão preparados para determinação da microdureza de superfície inicial. Após a seleção dos espécimes, metade será submetida à desmineralização para a indução de lesão de cárie subsuperficial (mancha branca) do esmalte. Será realizada nova análise de microdureza para as amostras submetidas à desmineralização. Os corpos de prova hígidos e desmineralizados serão divididos aleatoriamente em 4 grupos experimentais (n=4): G1: Esmalte hígido - peróxido de hidrogênio a 4%, G2: Esmalte hígido - peróxido de hidrogênio a 4% + 0,5% Ca, G3: Esmalte desmineralizado - peróxido de hidrogênio a 4%, G4: Esmalte desmineralizado - peróxido de hidrogênio a 4% + 0,5% Ca. Serão selecionados 14 voluntários que utilizarão dispositivos palatinos contendo 8, amostras (4 hígidos, 4 desmineralizados). Os voluntários serão aleatoriamente divididos em dois grupos: 7 voluntários utilizarão o gel contendo cálcio e 7 utilizarão o gel sem cálcio. Moldeiras de acetato serão confeccionadas para cada voluntário para a aplicação do gel clareador. Os voluntários serão orientados em utilizar o dispositivo durante os 14 dias (24 horas) e durante 8 horas aplicarão o gel clareador na moldeira de maneira que cubra os dentes e as amostras fixadas no dispositivo palatino. Após os 14 dias as amostras serão removidas do dispositivo palatino e a dureza final (Knoop) mensurada e a desmineralização avaliada em microscopia de luz polarizada. Esperasse que a adição de cálcio no gel clareador minimize os efeitos in situ no esmalte hígido e desmineralizado. (AU)