Busca avançada
Ano de início
Entree

Tempo de decomposição de massa seca de braquiárias em função de manejos de corte e seu efeito sobre a produtividade do milho safrinha no cerrado.

Processo: 08/11121-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Marcelo Andreotti
Beneficiário:Juliana Carla Fernandes
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Zea mays   Capim braquiarão   Manejo e tratos culturais   Fertilidade do solo

Resumo

O sistema plantio direto exige uma boa rotação de culturas, principalmente com espécies altamente produtoras de palha, tal como as gramíneas forrageiras. Além da quantidade, o contato entre os resíduos e o solo, que varia principalmente em função do tamanho das partículas proporcionadas pelos implementos de corte e da sua localização no solo (superfície ou incorporados), influencia as possibilidades de colonização do substrato pelos microrganismos, a disponibilidade de N para a decomposição e as condições abióticas (umidade e temperatura). Além disso, o conhecimento da dinâmica de liberação dos nutrientes é fundamental para que se possa compatibilizar a máxima persistência dos resíduos culturais na superfície do solo, que contribui com a manutenção da umidade e com a proteção do solo contra efeitos erosivos. Assim, o presente trabalho objetivará, para um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico, avaliar a produção de massa seca, o tempo de decomposição e a liberação de nutrientes do capim-braquiarão (Brachiaria brizantha cv. MG-5) e do capim-ruziziensis (Brachiaria ruziziensis), sob diferentes formas de manejo das plantas, e o efeito destas sobre o crescimento e produtividade do milho safrinha, em condições de cerrado. O trabalho será desenvolvido na FEPE - Setor de Produção Vegetal, da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira (FE/UNESP), localizada no município de Selvíria-MS. As espécies forrageiras serão semeadas em novembro de 2008 (espaçamento de 0,34 m com 12 kg de sementes ha-1 (VC=72%)). Quarenta dias após a emergência, essas serão ceifadas a uma altura de 0,30 m, para nivelamento da altura de corte, e após 40 dias do corte de nivelamento, as plantas serão dessecadas e "manejadas" de acordo com cada tratamento (roçadora, triturador/Triton, rolo-faca e planta intacta). O experimento será instalado em delineamento de blocos casualizados, em arranjo fatorial 2 x 4, ou seja, duas plantas forrageiras e 4 formas de manejo com 4 repetições. Posteriormente, o milho safrinha será cultivado no mesmo delineamento, aproveitando a palhada remanescente das plantas forrageiras em diferentes manejos. Após o manejo das plantas forrageiras (dessecação química e corte), a palha permanecerá sobre a superfície do solo, da qual serão coletados 0,25 m2 da parcela, para determinação da massa fresca e posterior massa seca para determinação dos teores de N, FDN, FDA, LIG, cinzas, PB, hemicelulose e celulose, além do teor de nutrientes digestíveis totais (NDT) e dos teores de P, K, Ca, Mg, S, Cu, Fe, Mn e Zn. Também será determinado o teor de C nas amostras para cálculo da relação C/N. Quantidade proporcional de massa fresca das espécies forrageiras de cada parcela será acondicionada dentro de sacos de nylon, denominados "Litter Bags" de 0,06 m2, sendo estes depositados em contato direto com o solo da respectiva parcela da área experimental. Aos 30, 60, 90, 120, 150 e 180 dias após dessecação, um "Litter Bag" será retirado de cada parcela, a fim de avaliar o remanescente de palha no interior do mesmo, para determinação do tempo de decomposição da massa seca durante um período de 180 dias, e dos teores remanescentes de N, P, K, Ca, Mg, S, Cu, Fe, Mn e Zn. Com o objetivo de caracterizar o solo após a decomposição das espécies forrageiras, será efetuado um levantamento da situação de sua fertilidade na camada de 0 a 0,20 m por parcela no dia da semeadura do milho safrinha, e ao final de 180 dias da avaliação de decomposição da palha. No florescimento feminino serão coletadas 20 folhas por parcela (terço médio da folha) para avaliação do seu estado nutricional. Ao final do ciclo da cultura do milho as plantas da área útil de cada parcela serão colhidas e avaliadas quanto ao crescimento, componentes da produção e a produtividade de grãos.