Busca avançada
Ano de início
Entree

Ação de disintegrinas na expressão de citocinas pró-inflamatórias por células endoteliais

Processo: 08/11442-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Patricia Bianca Clissa
Beneficiário:Iara Camargo Lima
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Mediadores da inflamação   Células endoteliais

Resumo

As manifestações locais dos acidentes causados por serpentes do gênero Bothrops são caracterizadas por uma resposta inflamatória aguda. A soroterapia com antiveneno poli específico se mostra ineficiente em neutralizar os efeitos locais dos acidentes botrópicos. Dentre todas as toxinas presentes no veneno botrópico, as SVMPs (Snake Venom Metalloproteinases) são uma classe de toxinas-chave envolvidas em sua patogênese. Estudos sobre a atividade inflamatória de SVMPs vem sendo realizados por nosso grupo desde 1996, e como modelo utilizamos a jararagina, purificada à partir do veneno de Bothrops jararaca. Estudos já realizados em nosso grupo com esta SVMP demonstram o seu interessante papel como ativador celular, capaz de desencadear respostas como apoptose e inflamação, envolvendo complexas vias de sinalização celular. Entretanto, é importante entender a participação dos diferentes domínios estruturais das metaloproteinases/disintegrinas nestes processos. O objetivo deste projeto é caracterizar as alterações no padrão de expressão de genes que codificam citocinas inflamatórias transcritos após estímulo de células endoteliais humanas com disintegrinas isoladas à partir de SVMPs precursoras. Serão utilizadas a jararagina-C (domínio tipo-disintegrina e rico em cisteína derivado da Jararagina) e a GST-INS recombinante (domínio disintegrina clássico clonado à partir do veneno de Bothrops Insularis, associado à uma proteína de fusão) para verificar a viabilidade, adesão e proliferação de células endoteliais. A expressão gênica de citocinas inflamatórias e fatores de crescimento serão avaliados por PCR em tempo real.