Busca avançada
Ano de início
Entree

Regeneração natural de mata ciliar em ecossistema de Floresta Estacional Semidecidual: chuva de sementes e banco de sementes do solo.

Processo: 09/01214-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Conservação da Natureza
Pesquisador responsável:Vera Lex Engel
Beneficiário:Paula Keiko Takeda Nakayama
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Sazonalidade   Dispersão de sementes   Ecologia florestal   Floresta estacional semidecidual   Banco de sementes

Resumo

Conhecer a dinâmica de banco e chuva de sementes é de fundamental importância para a compreensão da sucessão ecológica em fragmentos de matas nativas, bem como para a conservação e restauração desses fragmentos. O presente trabalho visa estudar o funcionamento do banco e da chuva de sementes de um fragmento de mata ciliar. A área está localizada na fazenda Lageado, pertencente à Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP, campus de Botucatu entre as coordenadas 22º50'S e 48º24'W. A vegetação natural local foi classificada como Floresta Estacional Semidecidual, de domínio de Mata Atlântica, sendo um remanescente de mata ciliar da margem direita do rio Lavapés com 8,1 ha de área. É considerada mata secundária com históricos de perturbação antrópica principalmente pela utilização de suas áreas de entorno para agricultura, desde o início do século XX até a década de 1990. Para a análise da chuva de sementes, a serapilheira depositada será coletada mensalmente durante o período de 12 meses, através de 30 coletores instalados a 50 cm de altura do solo, com 50 cm por 50 cm, confeccionados com armação de metal e fundo de tela sombrite 50%, recobertos com tecido voil preto. A serapilheira coletada sofrerá uma triagem, na qual serão separados as sementes e os frutos do resto do material coletado. As sementes serão identificadas, quantificadas e classificadas por tamanho e síndrome de dispersão. Amostras de sementes serão armazenadas para montagem de uma coleção de referência. Para a análise do banco de sementes serão coletadas 50 amostras de solo, utilizando-se um coletor cilíndrico com 20 de diâmetro a uma profundidade de 5 cm do solo. Serão feitas duas amostragens, uma ao final da estação chuvosa e outra ao final da estação seca. As amostras serão levadas ao viveiro e depositadas em bandejas com área de 20 x 32 cm, para germinação das sementes viáveis. As plântulas normais que emergirem serão quantificadas e identificadas semanalmente durante o período de aproximadamente 16 semanas. Os dados de ambos os processos serão estudados através de índices de abundância, diversidade e similaridade.