Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização dò padrão dè inativação dò gene Maoa humano

Processo: 07/03400-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2007
Vigência (Término): 08 de março de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Lygia da Veiga Pereira
Beneficiário:Lys Molina Hernandes
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Análise genética

Resumo

Nos últimos 60 anos a observação de fenômenos como expressão gênica dependente da origem parental em mamíferos e o silenciamento gênico em plantas deixaram claro que a seqüência de nucleotídeos não é a única forma de informação genética na célula. Essa atividade de regulação gênica que não envolve mudanças na seqüência de nucleotídeos e que pode persistir por uma ou mais gerações é chamada de fenômeno epigenético. Em mamíferos a herança epigenética se manifesta em dois fenômenos particularmente interessantes: na expressão gênica dependente da origem parental (ou "imprinting") e no processo de inativação do cromossomo X em fêmeas. A inativação do cromossomo X (ICX) consiste no silenciamento transcricional de um X nas fêmeas e resulta na compensação de dose de produtos gênicos do cromossomo X entre machos (XY) e fêmeas (XX). A ICX segue dois padrões distintos, podendo ser aleatória ou "imprintada". Sabe-se hoje porém que nem todos os genes localizados no X silenciado estão sujeitos a essa inativação. Um número crescente de genes que escapam da inativação do cromossomo X, apresentando expressão bi-alélica, vem sendo identificado nos últimos anos. Uma vez que os genes que escapam à inativação não apresentam algumas alterações epigenéticas que caracterizam o resto do cromossomo X inativo (Xi), a identificação e análise destes genes são importantes para o entendimento do processo de inativação do X. O gene MAOA localizado no cromossomo X na posição p11.3 está entre os genes cujo padrão de expressão no Xi de células somáticas humanas ainda encontra-se indefinido. Em 2005 Carrel e Willard publicaram um trabalho no qual concluíram que o gene em questão tratava-se de um gene de escape. Porém, de acordo com resultados preliminares de projetos desenvolvidos em nosso laboratório, as alunas Joana Carvalho Moreira de Mello e Raquel Stabellini, observaram aparente submissão à inativação do gene MAOA no Xi em placentas e fibroblastos humanos, respectivamente. Assim este projeto pretende realizar análises de metilação/desmetilação juntamente com análises de cSNPs (SNPs localizados em exons) do gene MAOA afim de determinar qual o padrão de expressão desse gene no Xi de células somáticas humanas.