Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo molecular da ação do hormônio tiroideano (T3) e estrógeno (E2) em cultura de células ósseas (ROS 17/2.8) de ratos

Processo: 03/05571-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2003
Vigência (Término): 30 de abril de 2005
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Celia Regina Nogueira
Beneficiário:Silvania da Silva Teixeira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Osso e ossos   Hormônios tireóideos   Estrógenos   Osteoblastos   Osteoclastos   Osteoporose   Metabolismo ósseo   Tri-iodotironina   Remodelação óssea   Modelos animais

Resumo

Osteoporose é uma doença esquelética caracterizada por perda de massa óssea e deterioração do tecido ósseo. O estrógeno possui importante papel no desenvolvimento das células ósseas e na manutenção da arquitetura óssea normal, agindo nos osteoblastos de acordo com o estágio de diferenciação destas células. A densidade óssea mineral, principal fator de risco determinante para fraturas osteoporóticas, tem forte componente genético, sendo que o gene para o ERb pode ter um papel modulatório no metabolismo ósseo em adultos jovens. O hipertireoidismo está associado com um aumento na atividade tanto osteoblástica como osteoclástica. Em relação ao T3 sabe-se que in vitro, os osteoclastos não respondem diretamente aumentando a reabsorção óssea, mas seu efeito é mediado por outra célula, provavelmente o osteoblasto, mas pouco existe, na literatura a respeito de sua ação sobre o tecido ósseo. Vários estudos demonstram que a tiroxicose é um fator de risco para a osteoporose, sugerindo que o hormônio tireóideo, em níveis fisiológicos, pode promover perda óssea em estados de deficiência de estrógeno. Este fato sugere a existência de um possível sinergismo entre a ação dos hormônios tireóideo e estrógeno na remodelação do tecido ósseo. A atividade hormonal do T3 e E2, em níveis fisiológicos e supra fisiológicos será analisada através de cultura de células tratadas com concentrações crescentes destes hormônios. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Pesquisadora brasileira ganha Prêmio L'Oréal-USA Mulheres na Ciência 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (6 total):
Mais itensMenos itens
Plantão News (MT): Pesquisadora brasileira ganha Prêmio L'Oréal-USA Mulheres na Ciência (10/Dez/2020)
ABIPTI - Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação: Pesquisadora brasileira ganha Prêmio L’Oréal-USA Mulheres na Ciência (10/Dez/2020)
Conexão Planeta: Cientista brasileira está entre cinco vencedoras do Prêmio Mulheres na Ciência nos Estados Unidos (09/Dez/2020)
Notícias Botucatu: Ex-aluna da Unesp de Botucatu ganha Prêmio L’Oréal-USA Mulheres na Ciência (09/Dez/2020)
Casa de Notícias: Pesquisadora brasileira ganha Prêmio L'Oréal-USA Mulheres na Ciência (08/Dez/2020)
Coluna Supinando: Pesquisadora brasileira ganha Prêmio L'Oréal-USA Mulheres na Ciência (08/Dez/2020)