Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinação da atividade antioxidante envolvida em mecanismos antiulcerogênicos de Anacardium humile St. Hill. (Anacardiaceae)

Processo: 04/13660-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Etnofarmacologia
Pesquisador responsável:Alba Regina Monteiro Souza Brito
Beneficiário:Ana Cristina Alves de Almeida
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:02/05503-6 - Uso sustentável da biodiversidade brasileira: prospecção químico-farmacológica em plantas superiores, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Antioxidantes   Eros   Flavonoides   Radicais livres   Úlcera gástrica

Resumo

Plantas tem sido usadas para o tratamento de várias doenças desde a antiguidade. A investigação fitoquímica e farmacológica de plantas aumentou nas últimas décadas, oferecendo avanços importantes no tratamento de várias patologias, entre elas a úlcera gástrica. Esta doença atinge cerca de 10% da população ocidental e está relacionada a fatores exógenos, como estresse, uso de anti-inflamatórios não esteroidais, alcoolismo, infecção por Helicobacter pylori. Durante a ulcerogênese é relatada a produção de espécies reativas do oxigênio (EROS), moléculas que oxidam proteínas, lipídeos, DNA, lesando tecidos biológicos. Em estado patológico, a produção de EROS excede o potencial de defesa antioxidante do organismo. A utilização de antioxidantes, como flavonóides, mostra-se benéfica em várias doenças. Este projeto visa avaliar o potencial antioxidante da fração acetato de etila extraída de folhas de Anacardium humile St. Hil, uma espécie do cerrado, popularmente utilizada no tratamento de distúrbios gastríntestinais. Análises fitoquímicas revelam a presença de flavonóides, saponinas e taninos cm extratos obtidos de suas folhas. A fração acetato de etila apresentou atividade antioxidante em solução de DPPH, além de atividade antiulcerogênica. Para avaliar a atividade antioxidante em úlceras serão feitas medidas de enzimas antioxidantes e produtos da oxidação da mucosa gástricar em correlação com índices de Lesão Ulcerativa obtidos em modelos experimentais de úlcera-induzidas por estresse, etanol e isquemia e reperfusão. (AU)