Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise morfológica e histoquímica do VENTRÍULO e do cérebro de operárias recém-emergidas de Apis mellifera l. (Hymenoptera, Apidae) tratadas com thiamethoxam

Processo: 10/15628-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2010
Vigência (Término): 31 de outubro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Zoologia Aplicada
Pesquisador responsável:Osmar Malaspina
Beneficiário:Regiane Alves de Oliveira
Instituição-sede: Centro de Estudos de Insetos Sociais (CEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Assunto(s):Toxicidade   Abelhas   Inseticidas   Citotoxicidade   Neonicotinóide

Resumo

As abelhas Apis mellifera são insetos sociais de grande importância econômica, seja ela direta, através do fornecimento de produtos apícolas, ou indireta, pela polinização de áreas de vegetação natural ou de áreas agrícolas. As abelhas campeiras estão diretamente expostas ao aumento desenfreado do uso de agrotóxicos que ocorre em conjunto ao aumento das áreas de monocultura. O uso constante de agrotóxicos vem submetendo os polinizadores a situações de estresse severo, o que tem sido evidenciado pela queda na densidade das abelhas em várias partes do mundo. O Thiamethoxam é um inseticida pertencente á classe dos neonicotinóides, com ação neurotóxica, e é utilizado em várias culturas com o intuito de erradicar pragas agrícolas, no entanto pode afetar insetos não-alvo, como as abelhas. Diante destas considerações, o presente projeto tem por objetivo avaliar a toxicidade do Thiamethoxam para o sistema nervoso, bem como sua citotoxicidade para o intestino de operárias recém-emergidas de A. mellifera, já que estes são respectivamente, o órgão de ação e de absorção deste composto. Para isto, experimentos de toxicidade utilizando o Thiamethoxam serão realizados com operárias recém-emergidas de A. mellifera, que serão coletadas no apiário do Depto. de Biologia da Unesp-Rio Claro-SP. Posteriormente, as abelhas serão dissecadas para a remoção do cérebro e intestino e os órgãos serão fixados e processados para morfológicas e histoquímicas. Este trabalho fornecerá dados importantes que contribuirão para o esclarecimento dos efeitos tóxicos de doses subletais de xenobióticos sob as abelhas.