Busca avançada
Ano de início
Entree

Viscoelasticidade e transportabilidade do muco brônquico, de pacientes hipersecretivos, expectorado após a tapotagem e após o aparelho flutter-vrp1

Processo: 03/12256-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2004
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2004
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Ercy Mara Cipulo Ramos
Beneficiário:Marila Vick Feltrim
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Escarro

Resumo

A fisioterapia respiratória utiliza-se das manobras de higiene brônquica no tratamento de doenças pulmonares com produção excessiva de muco, tais como bronquite crônica, bronquiectasia e fibrose cística. Devido a esta importância, os estudos sobre a eficiência das manobras de higiene brônquica vêm crescendo nessa última década e há, cada vez mais, uma busca pelas evidências que dão suporte aos recursos terapêuticos dessa especialidade. Freqüentemente utiliza-se a tapotagem como forma terapêutica para remoção de maior quantidade de secreção. Mais recentemente, o emprego de um aparelho denominado flutter-VRP1 tem sido alvo de estudos, principalmente comparado com técnicas convencionais como é o caso da tapotagem. Como a expectoração é o principal objetivo das manobras de higiene brônquica, acredita-se que a avaliação do muco brônquico expectorado possa ser um instrumento de análise de efetividade das mesmas. Sabendo-se que o muco de pior perfil reológico é de difícil expectoração, acreditamos que a análise das propriedades reológicas (viscosidade e elasticidade) e a análise da transportabilidade do muco brônquico, podem avaliar e comparar os efeitos dessas manobras de forma isolada. Assim, este estudo tem como objetivo analisar a viscoelasticidade e a transportabilidade do muco brônquico expectorado após a tapotagem e flutter VRP1, na tentativa de estabelecer um melhor protocolo de atendimento para pacientes portadores de hipersecreção brônquica. (AU)