Busca avançada
Ano de início
Entree

Degradação microbiológica de cepas remanescentes de florestas de "Eucalyptus"

Processo: 00/10488-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2001
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2002
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia
Pesquisador responsável:Adriane Maria Ferreira Milagres
Beneficiário:Sandra Kunieda de Alonso
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química de Lorena (FAENQUIL). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). Lorena , SP, Brasil
Assunto(s):Enzimas oxirredutoras   Eucalipto   Decomposição biológica   Enzimas hidrolíticas

Resumo

Os fungos decompositores da madeira possuem um variado e eficiente conjunto de enzimas e outros agentes oxidativos não-enzimáticos, os quais apresentam vasto potencial biotecnológico, principalmente para a indústria de celulose e papel. Atualmente essa indústria enfrenta um problema no que diz respeito â remoção de cepas e restos culturais na área de colheita, pois a remoção destas em grandes áreas é economicamente inviável e antiecológico. Dentro deste contexto, o presente trabalho visa isolar diferentes espécies fúngicas de cepas de Eucalyptus e estudar o efeito de cada uma sobre a perda de componentes da matriz íignocelulósica durante o seu pré-tratamento. Os fungos serão isolados a partir de fragmentos de cepas. Após identificação dos fungos inócuos às plantas vivas de eucalipto com capacidade de acelerar efetivamente a degradação dos cavacos em condições de laboratório, serão caracterizados quanto à produção de enzimas hidrolíticas (xilanase e celulase) e oxidativas (lacase, Mn-peroxidase) e de outros agentes catalíticos, não enzimáticos, do tipo sideróforos. Com esses resultados, tentar-se-á relacionar as modificações observadas na madeira com a capacidade de cada espécie fúngica de produzir determinadas enzimas e, ou, outros agentes catalíticos. (AU)