Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo morfometrico das alteracoes histoarquiteturais do intersticio vascular (moleculas) de adesao) em modelo experimental de pneumonia intersticial usual.

Processo: 06/51590-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2006
Vigência (Término): 31 de maio de 2007
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Vera Luiza Capelozzi
Beneficiário:Fernanda Bertanha
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:00/14336-0 - Doenças pulmonares intersticiais (ILD): correlação morfo-tomográfica através de métodos histoquímicos, imunohistoquímicos e morfométricos, AP.TEM
Assunto(s):Moléculas de adesão celular   Imuno-histoquímica   Morfometria   Fibrose pulmonar   Etiologia

Resumo

A fibrose pulmonar idiopática (IPF) é pouco conhecida e de difícil diagnóstico. Sua gravidade levou vários pesquisadores a criar modelos de fibrose pulmonar(FP) para entender sua patogênese. Vários foram criados tentando reproduzir aspectos histológicos semelhantes à IPF, mas nenhum até o momento o fez adequadamente. Dentre os modelos de FP, o que é causada pela bleomicina tem sido usado como protótipo, mas por não apresentar as características histológicas da IPF, toma difícil saber os mecanismos realmente implicados na doença. Estes modelos têm permitido conhecer o comportamento da FP e têm gerado várias questões, muitas sem resposta. Com a observação de casos de IPF, em nossa rotina e nossos trabalhos, chamou nossa atenção a injúria e a apoptose das células epiteliais alveolares. Este fato, observado por vários pesquisadores, nos incentivou a procurar um modelo que reproduza o padrão da IPF. O modelo de FP induzido por lesão da célula epitelial, a nosso ver, é o que melhor reproduz a IPF e reforça a teoria de que a injúria das células epiteliais é importante na sua patogênese. Esse modelo abre possibilidades para entender as características da IPF, principalmente o remodelamento vascular, possibilitando conhecer melhor a doença. Este projeto encontra-se na linha de pesquisa do Projeto Temático em anexo, demonstrativo da experiência do orientador nesta área em termos de patogênese, etiologia, patologia, correlações morfofuncionais e tomográficas, baseada em publicações resultantes de nossa experiência. (AU)