Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do uso potencial da substância p como agente quimiotático de células-tronco mesenquimais em diferentes formas de Distrofias Musculares Progressivas

Processo: 10/07662-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Mayana Zatz
Beneficiário:Amanda Faria Assoni
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14254-2 - Centro de Estudos do Genoma Humano, AP.CEPID
Assunto(s):Substância P   Terapia   Células-tronco   Terapia baseada em transplante de células e tecidos   Distrofia muscular

Resumo

As distrofias musculares progressivas (DMP) constituem um grupo de doenças genéticas caracterizadas por uma degeneração progressiva e irreversível da musculatura esquelética com variabilidade clínica nos músculos acometidos e na velocidade de progressão. Dentre as possíveis terapias propostas para as DMPs está a terapia celular que visa à reparação do músculo através da substituição das células não funcionais por células normais. Células-tronco são células capazes de se auto-renovar e de, em resposta à um certo estímulo, dar origem a células diferenciadas. As células-tronco mesenquimais (CTM) são consideradas multipotentes. Diversas fontes de CTM foram descritas, entre elas a medula óssea, o tecido do cordão umbilical, o tecido adiposo e a polpa de dente. Por possuírem características como alta taxa de proliferação e capacidade de diferenciação, são interessantes para um potencial tratamento para DMPs. Visto que, em nenhuma das abordagens terapêuticas para DMPs, propostas até o momento, foi obtido sucesso completo (restauração completa da proteína e do fenótipo), o aperfeiçoamento das técnicas empregadas nestes estudos será de grande importância. Diferentes tipos de fatores solúveis, liberados por células presentes em sítios de lesão podem atrair e estimular células-tronco. Recentemente foi verificado que a substância p (SP) atua como quimiotático para CTM em um modelo animal com lesão no tecido ocular. Ela constitui um neurotransmissor que se associa com receptores Neuroquinina-1, produzindo diferentes respostas, como vasodilatação das arteríolas, extravasamento de proteínas do plasma em vênulas pós-capilares, e adesão de leucócitos em células endoteliais de vênulas. Este trabalho tem como objetivo avaliar a expressão da substância p no músculo distrófico e seu potencial como quimiotático de CTM de diferentes origens.