Busca avançada
Ano de início
Entree

Essas tantas diferentes gentes: onomásticas, coletividades e socialidades ná Amazônia

Processo: 07/59669-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2008
Vigência (Término): 30 de abril de 2011
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Etnologia Indígena
Pesquisador responsável:Beatriz Perrone-Moisés
Beneficiário:Maria Denise Fajardo Grupioni
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/57134-2 - Redes ameríndias: geração e transformação de relações nas terras baixas sul-americanas, AP.TEM
Assunto(s):Onomástica   Socialidade

Resumo

Estoques de nomes, utilizados para qualificar diferentes tipos de gente é algo que encontramos em profusão por toda paisagem etnográfica das terras baixas sul-americanas, mas o que fazer com eles - como interpretá-los - e o que dizer a respeito de sua maior ou menor relevância para a compreensão desta paisagem tem sido objeto das mais variadas posições. Tais estoques, que servem para nomear, contrastar e distinguir coletividades, em algumas etnografias são considerados como clãs, em outras como linhagens, sibs, tribos, subgrupos, etnônimos, enfim, de autor para autor, observa-se uma grande variedade no uso desses termos. Discutir e comparar um conjunto de dados e análises sobre tais emaranhados de nomes e definições, com vistas a um balanço desta temática, é um dos objetivos deste projeto. Tomando como ponto de partida o sistema nominativo e a noção de continuação (itipi), presente entre os Tiriyó do sudoeste guianense, a intenção é pesquisar a diversidade de concepções existentes no cenário etnográfico amazônico para designar coletivos de gente e em torno dos tipos de socialidade que se estruturam com base nestas concepções. Para tanto, este projeto prevê um cronograma de estudos, sistematização e comparação da bibliografia pertinente, paralelamente a uma agenda de atividades de atividades científicas no âmbito da Pesquisa Temática Redes Ameríndias (Processo FAPESP, n. 05/57134-2) e também de discussão e troca de informações com pesquisadores de outros grupos que se ocupam deste assunto entre os povos indígenas das diferentes áreas etnográficas das terras baixas sul-americanas. (AU)