Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação energética em reatoes anaeróbios aplicados ao tratamento de resíduos da indústria de produção do etanol

Processo: 09/11289-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2010
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:Marcelo Loureiro Garcia
Beneficiário:Lucas Tadeu Fuess
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Balanço de energia   Tratamento biológico anaeróbio   Tratamento anaeróbio

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo verificar se sistemas anaeróbios aplicados ao tratamento de resíduos da indústria de produção de etanol são auto-sustentáveis do ponto de vista energético. A digestão (ou biotransformação) anaeróbia enquadra-se como um processo de tratamento de efluentes, de modo que sua aplicação à vinhaça (resíduo oriundo da indústria do etanol com alta concentração orgânica) permite obter um efluente tratado, reduzindo significativamente o impacto ambiental de seu despejo no meio ambiente. Além disso, o gás metano gerado na biotransformação pode ser empregado na geração de energia, a qual pode abastecer a própria planta de tratamento, reduzindo o uso de energia de fonte não-renovável. A digestão anaeróbia pode ser dividida basicamente em quatro etapas principais, caracterizadas como hidrólise, acidogênese, acetogênese e metanogênese. O processo global envolve pelo menos cinco diferentes grupos de microrganismos, dos quais merecem destaque as arquéias metanogênicas (responsáveis pela produção de metano). O estudo do potencial metanogênico, a partir da análise criteriosa de produções bibliográficas referentes ao assunto e de ensaios laboratoriais, é fundamental tanto para o aprofundamento do conhecimento quanto para a aplicação do processo anaeróbio em sistemas naturais ou de engenharia, os quais tornam-se vantajosos em relação a aspectos ambientais e energéticos, principalmente quanto à auto-sustentabilidade.