Busca avançada
Ano de início
Entree

Virus oropouche: obtencao de clone infeccioso e avaliacao do papel da proteina nao estrutural nss na sua patogenese.

Processo: 09/52474-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2009
Vigência (Término): 30 de setembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Eurico de Arruda Neto
Beneficiário:Gustavo Olszanski Acrani
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/50617-6 - Estudos sobre vírus emergentes incluindo arbovirus, robovirus, vírus respiratórios e de transmissão congênita, no Centro de Pesquisa em Virologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, AP.TEM
Assunto(s):Clonagem   Vírus Oropouche   Genética reversa   Arbovirus   Apoptose

Resumo

O vírus Oropouche (OROV) é a segunda mais freqüente arbovirose do Brasil, com mais de 0,5 milhão de casos documentados nos últimos 30 anos. OROV ocorre predominantemente na região Amazônica, mas já foi isolado na Região Sudeste. Além disso, o desmatamento e a redistribuição de insetos vetores aumentam o risco de disseminação de OROV para outras áreas. A patogenia de infecções por OROV não é completamente conhecida. Sabe-se que o vírus induz apoptose e que esse efeito requer síntese de proteínas virais (estudo recente feito pelo candidato, Gustavo O. Acrani). Estudos com outros Bunyavirus indicam que proteínas não-estruturais (NS) são importantes em apoptose e controle da síntese de IFN tipo I. O estudo proposto visa a avaliar o papel da proteína NSs de OROV na indução de apoptose, "shut-off" de síntese protéica e síntese de IFN Tipo I. Para tanto, será produzida NSs recombinante em células eucarióticas com o objetivo de se estudar a interação desta proteína com a célula e seu papel na patogênese causada pelo vírus. Um clone infeccioso de OROV será preparado por genética reversa, que permitirá obter OROV 'knock-out' para NSs, bem como outras construções importantes, de modo a estudar o papel da proteína NSs na replicação do vírus. Este estudo é importante para entender a biologia celular de OROV e caracterizar uma proteína pró-apoptótica de bunyavirus, que tem potencial para aplicação como insumo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)