Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da atividade anaeróbia sobre a expressão do transportador de glicose GLUT4 e de supressor de sinalização de citocinas (SOCS3) em músculo esquelético glicolítico de ratos obesos por dieta de cafeteria

Processo: 09/01965-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Patricia Monteiro Seraphim
Beneficiário:Danilo Antônio Corrêa Pinto Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia endócrina   Obesidade   Resistência à insulina   Transportador de glucose tipo 4   Dieta de cafeteria

Resumo

A obesidade é caracterizada por um aumento de ingestão calórica associada a um menor gasto energético. Tem-se estabelecido que na população mundial há um aumento na prevalência da obesidade em função de opção por dietas mais palatáveis e, portanto, mais calóricas, bem como por redução na atividade física, em função de maior poder aquisitivo. O maior problema da obesidade é que, uma vez instalada, várias alterações metabólicas e funcionais são correlacionadas com o quadro. Dentre elas, a resistência à insulina é uma das mais agravantes, pois altera o funcionamento metabólico, contribuindo para estados de hiperinsulinemia. Uma das alterações detectadas na resistência à insulina, além da própria alteração da via de sinalização da insulina, é a alteração na quantidade de proteína transportadora de glicose GLUT4 em tecidos musculares e adiposo. A atividade contrátil muscular pode contribuir não só para o emagrecimento do indivíduo, o que, por si só, poderia causar reversão de todo o quadro de alteração metabólica, mas também aumenta a quantidade de GLUT4 na membrana plasmática das células musculares. O benefício do exercício físico sobre a sensibilidade à insulina é demonstrado tanto com o exercício aeróbio como com exercício contra-resistido. Já o tecido adiposo é capaz de liberar várias citocinas pró e anti-inflamatórias que influenciam uma variedade de processos fisiológicos, entre eles a própria resistência a insulina (RI). Algumas citocinas que estão intimamente ligadas à RI são Interleucina-6 (IL-6), Fator de Necrose Tumoral-alfa (TNF-alfa), Resistina. A IL-6 gera efeito benéfico na regulação do metabolismo da glicose na musculatura esquelética. A questão é se a IL-6 em condições patológicas contribui para uma disfunção glicêmica, afetando a sensibilidade à insulina no tecido muscular, alterando a expressão de transportador de glicose. Os mecanismos pelos quais a IL-6 atua na RI não estão claramente evidentes, mas algumas descobertas têm correlacionado aumento de IL-6 associado à elevação de expressão de supressor da sinalização de citocinas - 3 (SOCS3), a qual pode modular a via ativada por citocinas JAK/STAT, ligando-se aos receptores JAK ou à cauda citoplasmática dos receptores de citocinas. Algumas investigações têm demonstrado que membros da família SOCS contribuem para o desenvolvimento de resistência à insulina perifericamente. Assim, o estudo tem como objetivo verificar os efeitos do exercício contra-resistido anaeróbio sobre a expressão de mRNA do GLUT4 e da SOCS3 em músculo esquelético glicolítico de ratos Wistar obesos por dieta de cafeteria. Serão utilizados ratos obesos-induzidos por dieta de cafeteria (dieta hipercalórica), além dos animais controles, os quais serão alimentados com ração padrão e água fornecida ad libitum. Serão 4 grupos de animais: Grupo G1 - controle sedentário; Grupo G2 - controle submetido ao exercício contra-resistido anaeróbio; Grupo G3 - obeso sedentário; Grupo G4 - obeso submetido ao exercício contra-resistido anaeróbio. A dieta de cafeteria consistirá em dieta hipercalórica (cafeteria) que conterá bacon, mortadela, queijo, salsicha, bolacha recheada e refrigerante. O programa de treinamento será feito 3 x/por semana durante 45 dias em aparelho projetado para realização de movimento do tipo "jump squat". Para a predição de intensidade do treino, será aplicado teste de uma repetição máxima (1RM) a cada duas semanas, e serão trabalhadas porcentagens variando entre 65 e 75% da RM. Serão realizadas 4 séries de 12 repetições, com intervalo de 2s entre uma repetição e outra e intervalos de 2 minutos entre as séries. Após 24 horas da última sessão de treinamento, os animais serão anestesiados. Em seguida procederá a retirada do músculo esquelético glicolítico extensor longo dos dígitos (EDL). Também será coletado sangue da veia caudal para análise sérica de glicemia, triglicerídeos e colesterol total. Para a quantificação do gene do GLUT4 e da SOCS3 será utilizada a técnica de RT-PCR.