Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da Expressão de Metalotioninas I, II e III na Desmielinização Induzida por Cuprizona em Ratos da Linhagem Lewis

Processo: 09/14592-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2009
Vigência (Término): 30 de novembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Carolina Prado de França Carvalho
Beneficiário:Sabine Nunes Boilesen
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Esclerose múltipla   Neuroimunologia   Citocinas   Cuprizona   Lipídeos

Resumo

A esclerose múltipla é doença desmielinizante crônica do SNC, cujo caráter surto-remitente culmina com lesões que comprometem o componente motor e cognitivo do paciente. Grande parte do conhecimento sobre a patogênese da esclerose múltipla tem sido esclarecida a partir de estudos realizados em modelos experimentais, como a encefalomielite experimental autoimune (EAE), os quais dependem de linhagens de animais geneticamente susceptíveis. Os ratos da linhagem Lewis são altamente susceptíveis às doenças autoimunes em função de alterações na resposta do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e níveis reduzidos de corticosterona. As várias formas de indução da EAE, ou a utilização de desmielinização induzida por vírus são caracterizadas por um processo de desmielinização esporádico, inconsistente e esparso, fazendo com que a análise destas lesões seja dificultada por falta de reprodutibilidade anatômica e por variabilidade entre os animais utilizados. Durante o processo de desmielinização, a detecção de níveis aumentados de genes antioxidantes como o das metalotioninas tem sido relacionados com o processo de remielinização. O presente projeto tem por objetivo avaliar o processo de desmielinização crônica induzida em ratos da linhagem Lewis, associado a resposta inflamatória e seu reflexo no metabolismo lipídico, por meio de análise morfológica, molecular e bioquímica,. A ação do tratamento com a cuprizona será avaliada através de estudo morfológico do SNC, submetido à coloração de Luxol Fast Blue para verificação do processo de desmielinização nas áreas do fórnix, pedúnculos cerebelares e córtex, bem como pela quantificação da mielina. A relação entre o processo inflamatório e a expressão das Metalotioninas I, II e III, será determinada através do estudo de citocinas pró-inflamatórias pelo RT-PCR e ELISA. Assim, pretende-se esclarecer qual a relação do processo inflamatório decorrente da desmielinização induzida pela cuprizona e a expressão das Metalotioninas I, II e III, relacionados com as alterações no metabolismo lipídico.