Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de um sistema de Interferência de RNA para inibição da replicação do vírus da febre amarela

Processo: 06/02572-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2006
Vigência (Término): 31 de julho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Maurício Lacerda Nogueira
Beneficiário:Adriana Aparecida Severino
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Virologia   Febre amarela

Resumo

A Febre Amarela é uma doença infecciosa que se mantém endêmica ou enzoótica nas florestas tropicais da América causando periodicamente surtos isolados ou epidemias de importante impacto para a saúde pública. Esta enfermidade é causada pelo vírus da Febre Amarela (YFV-Yellow Fever Virus), um arbovírus transmitido a vertebrados pela picada de artrópodes. A infecção pelo YFV pode ser assintomática, causar doença febril aguda branda ou moderada e casos graves de febre hemorrágica cursando com falência hepática, insuficiência renal e morte. A despeito da extensiva campanha de vacinação, desde os anos 80 tem se verificado a re-emergência da Febre Amarela silvestre no Brasil. O tratamento desta doença é voltado para o combate aos sintomas clínicos, não havendo um medicamento específico contra o vírus. Desta forma há uma grande necessidade de que sejam desenvolvidos antivirais efetivos e seguros para o tratamento destas infecções. Interferência na expressão gênica utilizando pequenos fragmentos de iRNA (interference RNA) é uma nova estratégia que vem sendo usada para bloquear genes específicos virais visando inibir sua replicação. O presente projeto tem como objetivo desenvolver um sistema de iRNA capaz de inibir a replicação do YFV e com isso fornecer um mecanismo antiviral específico e eficaz para o tratamento desta infecção.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.