Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de imunidade celular em cães sintomáticos para leishmaniose visceral tratados com o imunomodulador fosfolinoleato-palmitoleato de magnésio e amônio proteico

Processo: 08/55523-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 30 de abril de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Pesquisador responsável:Valéria Marçal Felix de Lima
Beneficiário:Murilo Gomes de Soutello Charlier
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Assunto(s):Hipersensibilidade tardia   Leishmaniose visceral   Imunidade celular

Resumo

A Leishmaniose Visceral (LV) é uma zoonose crônica e, se não tratada, pode ser fatal. A LV canina constitui um grave problema de Saúde Pública, pois os animais infectados são potentes reservatórios, sendo mais prevalente em cães do que no homem. Por isso, o cão é um alvo importante nas medidas de controle. Os cães infectados apresentam imunidade celular diminuída e desenvolvem potente resposta humoral, que não é eficaz para eliminação do protozoário. A eutanásia de animais soro positivos é indicada, pois, nestes casos, a quimioterapia não é efetiva, sendo comum ocorrerem recidivas após o tratamento. Nos animais tratados, observa-se melhora clínica, mas não há completa eliminação do parasita, que pode infectar os flebótomos meses após o tratamento. Além disso, o uso de antimoniais humanos em animais pode selecionar cepas resistentes a estas drogas. Assim, é fundamentei o estudo de novas alternativas para o tratamento de animais infectados que possam reduzir a incidência da doença em áreas endêmicas. O imunomodulador conhecido por MAPA é um agregado polimérico derivado de Aspergillus oryzae. Tal droga é capaz de estimular, em modelo experimental, a linfoproliferação e a produção de citotinas relacionadas à imunidade celular. Neste projeto, propomos o uso do MAPA no tratamento, duplo-cego, de cães sintomáticos para leishmaniose visceral, avaliando a remissão dos sinais clínicos, e a imunidade celular, antes e apôs o uso da droga. (AU)