Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de núcleos centrais envolvidos na modulação da atividade simpática para as glândulas salivares: controle da concentração de glicose e do fluxo salivar em ratos hipertensos e diabéticos.

Processo: 09/16502-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2010
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Ubiratan Fabres Machado
Beneficiário:Robinson Sabino da Silva
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/50554-1 - Transportadores de glicose e Diabetes mellitus: contribuição ao conhecimento da regulação da glicemia e do desenvolvimento de complicações, AP.TEM
Assunto(s):Diabetes mellitus   Glândulas salivares   Hipertensão   Endocrinologia   Xerostomia

Resumo

As disfunções de glândulas salivares (GS) que têm sido descritas em diabéticos e hipertensos podem se correlacionar com alterações de localização subcelular dos transportadores de glicose SGLT1 e GLUT1 em parótida e submandibular, todavia não se conhecem o verdadeiro comprometimento de mecanismos funcionais decorrentes dessas alterações. Apesar da presença de SGLT1 e GLUT1 em diferentes células das GS, o exato mecanismo pelo qual a glicose se move do sangue até a saliva final ainda é desconhecido, e a presença dos transportadores SGLT2 e GLUT2 poderia contribuir para um maior entendimento das rotas de glicose neste território. Adicionalmente, considerando a recente observação de que o SGLT1 é um potente transportador de água, e a nossa observação de sua presença em membrana luminal de célula ductal, a sua regulação pode representar um importante mecanismo de controle do volume salivar em situações fisiopatológicas. A atividade simpática para as GS é fundamental no controle da secreção salivar e na modulação da expressão de genes. Sabe-se que a inervação simpática das GS envolve neurônios pré-ganglionares, que se projetam dos primeiros segmentos torácicos da medula e fazem sinapse no gânglio cervical superior; entretanto nada se conhece da origem central desta via. Nós demonstramos que a atividade simpática de neurônios pós-ganglionares que se projetam para as GS está diminuída em animais diabéticos, e aumentada em hipertensos. Também verificamos que a atividade simpática para as GS aumentou paralelamente com o aumento da pressão arterial induzida por fenilefrina, indicando modulação por barorreceptores. Portanto, o objetivo deste trabalho é investigar em ratos diabéticos e hipertensos: (i) se a regulação do SGLT1, per se, participa de alterações de fluxo salivar; (ii) a presença e a regulação de GLUT2 e SGLT2 em SG, e seu papel nas rotas da glicose, e (iii) os núcleos centrais e as vias neurais envolvidos no controle da atividade simpática pós-ganglionar para as GS. Essas informações deverão contribuir para o conhecimento dos mecanismos determinantes da xerostomia presente em indivíduos diabéticos e/ou hipertensos, assim como o potencial papel da neuropatia autonômica nestas alterações.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SABINO-SILVA, ROBINSON; OKAMOTO, MARISTELA MITIKO; DAVID-SILVA, ALINE; MORI, ROSANA CRISTINA; FREITAS, HELAYNE SOARES; MACHADO, UBIRATAN FABRES. Increased SGLT1 expression in salivary gland ductal cells correlates with hyposalivation in diabetic and hypertensive rats. DIABETOLOGY & METABOLIC SYNDROME, v. 5, OCT 24 2013. Citações Web of Science: 8.
SABINO-SILVA, ROBINSON; CERONI, ALEXANDRE; KOGANEZAWA, TADACHIKA; MICHELINI, LISETE C.; MACHADO, UBIRATAN F.; ANTUNES, VAGNER R. Baroreceptor-mediated activation of sympathetic nerve activity to salivary glands. Physiology & Behavior, v. 107, n. 3, p. 390-396, OCT 10 2012. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.