Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise do potencial de tolerância a seca em diferentes variedades do programa de melhoramenot de cana-de-açúcar do Instituto Agronômico de Campinas (IAC)

Processo: 07/55580-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2007
Vigência (Término): 30 de novembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Pesquisador responsável:Vicente Eugenio de Rosa Junior
Beneficiário:Samantha Vieira Abbad
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Cana-de-açúcar   Secas   Expressão gênica diferencial   Estresse hídrico

Resumo

A cana-de-açúcar (Saccharum sp) se destaca na economia brasileira como uma das principais commodities agrícola. Assim como em outras culturas, um dos principais fatores que afetam a produtividade da cana-de-açúcar é o déficit hídrico, visto que este afeta o crescimento e o desenvolvimento da planta, podendo limitar o cultivo de algumas culturas a determinadas localidades ou regiões. O clima ideal é aquele que possui temperaturas adequadas, alta luminosidade e precipitação bem distribuída. Até o momento, poucos estudos foram realizados na cultura de cana-de-açúcar para se determinar a tolerância das variedades ao déficit hídrico. A identificação e a compreensão dos mecanismos de tolerância à seca em plantas são cruciais no desenvolvimento de novas variedades de cana-de-açúcar mais tolerantes. Assim, a biologia molecular assume papel-chave na identificação das respostas ao déficit hídrico, o que permitirá futuramente a compreensão das vias metabólicas envolvidas nas respostas fisiológicas. Este projeto integra uma linha de pesquisa que visa identificar, entender e utilizar os genes e promotores envolvidos com a tolerância à seca em cana-de-açúcar sob uma perspectiva biotecnológica, assim como a utilização dos genes em plantas geneticamente modificadas e a construção de vetores estresse-específico a serem utilizados com genes endógenos ou exógenos para transformação da cana-de-açúcar. (AU)