Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão de sinucleína gama, perfil de metilação de seu promotor e seu papel na progressão o melanoma

Processo: 09/18288-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Beneficiário:Ana Carolina Monteiro
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/61293-1 - Contribuição da metilação de DNA na carcinogênese, AP.JP
Assunto(s):Melanoma   Metilação de DNA   Epigênese genética   Progressão tumoral

Resumo

Epigenética está relacionada com os padrões de expressão gênica transmitidos que não incluem alterações na sequência de DNA. Um dos eventos epigenéticos mais bem estudados é a metilação do DNA, sendo que vários trabalhos mostram que padrões aberrantes dessa metilação estão relacionados com diversas patologias, como o câncer. É sabido que o gene da ³-sinucleína humana (SNCG) apresenta modificações dos seus padrões de metilação do DNA em diversos tipos tumorais e está superexpresso nestes. Estudos mostraram que essa superexpressão de ³-sinucleína é encontrada principalmente em estágios avançados dos tumores e está fortemente relacionada com indução da proliferação celular, aumento na mobilidade celular, aumento de invasão e metástase. Assim essa proteína apresenta grande potencial terapêutico como fármaco e biomarcador. Um dos cânceres agressivos de alta incidência mundial e que possui poucos tratamentos eficientes disponíveis no momento é o melanoma. O melanoma metastático é muito agressivo e resulta na mortalidade de 90% dos pacientes. Porém nenhum estudo foi realizado interligando a elevada expressão de ³-sinucleína com melanoma. Assim, o objetivo desse trabalho é determinar possíveis alterações na expressão de ³-sinucleína durante a gênese do melanoma. Para tal utilizar-se-á um modelo murino de transformação maligna de melanócitos e culturas primárias de melanoma humano.