Busca avançada
Ano de início
Entree

Resistência ao anoikis como um gatilho epigenético na transformação maligna de melanócitos

Processo: 07/51328-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2007
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Beneficiário:Karina Miranda Santiago
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Melanoma   Metilação de DNA   Transformação celular neoplásica   Epigênese genética

Resumo

Embora o estudo da etiologia do câncer focalize principalmente alterações genéticas como o único mecanismo de carcinogênese, um número crescente de pesquisas revelam a contribuição da epigenética tanto na iniciação como na progressão tumoral. Entretanto, a relação causai entre as alterações epigenéticas e a gênese tumoral continua até hoje desconhecida. Foi desenvolvido, em nosso laboratório, um modelo murino de transformação maligna de melanócitos associada a alterações na adesão celular. Pelo fato deste modelo ter uma origem genética comum, ele se tornou ideal para o estudo da contribuição de alterações epigenéticas, entre elas a metilação do DNA, na perda do controle homeostático e no processo carcinogênico. A partir da análise de metilação do DNA das linhagens obtidas, constatamos um padrão de metilação alterado em relação à linhagem parental. Este projeto propõe determinar se ciclos curtos de bloqueio de ancoragem, suficientes ou não para levar às alterações na metilação do DNA, também são capazes de gerar linhagens celulares com fenótipo maligno. As linhagens geradas a partir deste procedimento serão avaliadas quanto à proliferação, tumorigenicidade e perfil de metilação do DNA. Este estudo poderá contribuir com informações sobre as bases moleculares epigenéticas da gênese do melanoma, bem como com o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas e diagnósticas do melanoma, além de servir como parâmetro para o entendimento de outras neoplasias. (AU)