Busca avançada
Ano de início
Entree

Capacidade de indução de osteonecrose por bifosfonatos orais em ratas osteopênicas

Processo: 09/50496-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 30 de abril de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Adriana Aigotti Haberbeck Brandão
Beneficiário:Lilian Martins Napolitano
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOSJC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Alendronato   Osteoporose   Difosfonatos   Remodelação óssea   Osteonecrose

Resumo

Os bifosfonatos são freqüentemente utilizados no tratamento da osteoporose. Inúmeros casos clínicos de osteonecrose nos maxilares associados ao uso de bifosfonatos têm sido publicados. A maioria dos casos ocorre com bifosfonatos injetáveis, e a relação com a administração oral é questionável. Não se tem conhecimento na literatura de estudos experimentais investigando esta possibilidade. O objetivo deste trabalho é verificar se os bifosfonatos orais, especificamente o alendronato e o risedronato, são capazes de induzir osteonecrose dos maxilares em ratas osteopênicas submetidas à extração dental. Para tanto serão utilizadas 32 ratas divididas nos grupos: OVX - ratas ovariectomizadas tratadas com água filtrada via oral (controle); OVX+ALN - ratas ovariectomizadas tratadas com alendronato sódico via oral, 21 mg/kg/semana; OVX+RIS - ratas ovariectomizadas tratadas com risedronato via oral, 10,5mg/kg/semana e SHAM - ratas Sham (falso ovariectomizadas) tratadas com água filtrada via oral. Após a ovariectomia (OVX ou Sham) serão aguardados 30 dias para a indução de osteopenia/osteoporose e então serão iniciados os tratamentos veiculados em 1 ml de água por gavagem. Após 30 dias de tratamento serão extraídos os primeiros molares inferiores direitos. Os tratamentos serão continuados por mais 30 dias e então os animais serão sacrificados. As mandíbulas serão retiradas e submetidas a radiografias digitais para análise da região dos dentes extraídos na procura de sinais sugestivos de necrose óssea. Então as peças serão coradas com fucsina básica para evidenciação de osso necrótico. Após a coloração as peças serão incluídas em resina de metilmetacrilato e cortes seriados serão submetidos à análise microscópica avaliando-se a presença ou ausência de osteonecrose. Os dados obtidos serão submetidos aos testes estatísticos de Anova e Tukey (p>5). (AU)