Busca avançada
Ano de início
Entree

O poético alinhave dè Murilo Mendes: o poeta, a Musa e a metapoesia Èm às metamorfoses

Processo: 07/57344-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2007
Vigência (Término): 30 de novembro de 2009
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Literatura Brasileira
Pesquisador responsável:Antônio Donizeti Pires
Beneficiário:Patrícia Aparecida Antonio
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Poesia lírica   Modernismo no Brasil   Musa

Resumo

Da poesia de Murilo Mendes pode-se afirmar que é fundamentada por certas características gerais que, de forma mais ou menos acentuada, vão permear todo o conjunto de sua obra: a presença de instâncias contrárias; um voltar de olhos à unificação - a poesia como totalidade, nas palavras de Murilo Marcondes de Moura (1995); a metáfora de caráter preponderantemente insólito; a capacidade dialógica com outras artes; a utilização de técnicas surrealistas; e a doutrina católica, agregando um caráter eminentemente metafísico à sua poesia. Valendo-se desse aparato de características, Murilo focaliza alguns temas recorrentes em suas obras. E são três desses temas o objeto de análise do presente trabalho: a figura do poeta, de resto, inserido no panorama histórico da Segunda Guerra Mundial e por ele assolado; a figura da musa, portadora do sagrado e do profano, cujo corpo afigura-se como repositório das descrições de teor surrealista, e que se entremostra por vezes como a própria poesia; e, por fim, a poesia (ou a metapoesia) expressa nesse contexto (tanto histórico, quanto literário). E para isso, valer-nos-emos dos poemas enfeixados na obra As metamorfoses, em que as técnicas surrealistas podem ser entrevistas com maior clareza, e cujo tema religioso, como não poderia deixar de ser, em se tratando de um poeta marcadamente cristão, entremostra-se por entre uma variedade de metamorfoses naturais e humanas. É nessa obra, portanto, que pretendemos buscar, com base na análise de poemas, como cada uma dessas instâncias se configura dentro do universo poemático de Murilo Mendes, a fim de esclarecer em que se constitui o alinhave que delas é feito pelo poeta juiz-forano; instâncias tão caras quando se trata de poesia e que acabam por conferir a seus escritos um evidente caráter de modernidade. (AU)