Busca avançada
Ano de início
Entree

A provisão e o desempenho de áreas verdes urbanas em cidades médias paulistas: análise de setor urbano em Rio Claro

Processo: 04/14158-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2005
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Planejamento Urbano e Regional - Fundamentos do Planejamento Urbano e Regional
Pesquisador responsável:Pompeu Figueiredo de Carvalho
Beneficiário:Mahe Lambertucci Meyer
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Impactos ambientais   Planejamento territorial urbano   Percepção ambiental   Urbanização   Gestão ambiental   Áreas verdes   Espaço urbano   Desenvolvimento sustentável   Rio Claro (SP)

Resumo

O modelo de desenvolvimento capitalista em escala mundial, cuja lógica de acumulação está baseada na distribuição desigual dos excedentes, produziu desigualdades sócio espaciais em várias escalas. São nas cidades dos países periféricos que mais se acentuam, tanto as acumulações como as desigualdades vinculadas. Mais recentemente, as desigualdades sócio-espaciais têm sido estudadas associadas aos impactos ambientais é a qualidade de vida urbana, dentro do paradigma do desenvolvimento e das cidades sustentáveis. Um dos mecanismos da acumulação periférica é o da mercadorização da terra, incorporando inclusive aquelas inadequadas, caracterizando uma superexploração do meio ambiente, não apenas do' natural, mas também do construído. Acumulam-se, assim, passivos ambientais, que atingem principalmente as classes desfavorecidas, mas também toda sociedade. Desta maneira, é necessário entender a produção dos espaços urbanos para prevenir e reduzir os passivos ambientais, através de instrumentos e políticas públicos. Para tanto, tornou-se como estudo de caso um setor urbano na cidade de Rio Claro, representativa das cidades médias paulistas, para a realização dos objetivos em uma realidade concreta, no qual será focalizado a questão das áreas verdes, numa perspectiva do desenvolvimento sustentável, contribuindo assim para o debate acadêmico, institucional e político. (AU)