Busca avançada
Ano de início
Entree

Protocolos anestesicos para felinos doadores de sangue

Processo: 08/54857-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2008
Vigência (Término): 30 de setembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Denise Tabacchi Fantoni
Beneficiário:Renata Beccaccia Camozzi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Sangue   Doação   Gatos   Felidae

Resumo

Diante do crescimento mundial da população felina, uma atenção maior vem sendo dedicada à espécie, tanto nas áreas comportamental, quanto nutricional e médica. Dessa forma, a expectativa de vida da espécie vem aumentando, a susceptibilidade a algumas doenças - como infecciosas e oncológicas - também e, como conseqüência, a área de medicina transfusional tem ganhado cada vez mais importância. Entretanto, existem dificuldades em relação à coleta de sangue em gatos, uma vez que estes animais não permitem a realização do procedimento apenas com a contenção física, havendo a necessidade de sedação do doador. Com base nisso, este projeto visa testar três protocolos anestésicos sedativos para a coleta de sangue em felinos domésticos e escolher, entre eles, o(s) mais adequado(s), baseando-se na qualidade da sedação obtida, segurança do doador bem como na qualidade de recuperação, avaliando para tanto o reestabelecimento dos parâmetros vitais depois da sedação. Os protocolos testados serão: 1) Butorfanol (0,2 mg/kg) e diazepam (0,5 mg/kg), associados por via intramuscular; 2) Butorfanol (0,2mg/kg) e acepromazina (0,1 mg/kg), associados, por via intramuscular, 3) Cetamina (5mg/kg), midazolam (0,1 mg/kg) e acepromazina (0,05 mg/kg) na mesma seringa, por via intramuscular. Para tanto serão utilizados quinze gatos, organizados em três grupos de cinco animais cada, que se enquadrem nas características requeridas. Após a seriação e coleta de sangue, os animais ficarão sob observação até que seja determinada a recuperação completa segundo os critérios estabelecidos numa tabela pré-formulada, encontrada neste projeto. A partir deste momento será dada a alta do animal, que então poderá ser entregue ao proprietário. Para a análise da hipótese de igualdade de médias entre os momentos de avaliação será utilizada a Análise de Variância com medidas repetidas. A obtenção do(s) protocolo(s) mais adequado(s) ao fim do projeto possibilitará uma coleta mais segura do sangue felino, o que permitirá a implantação de um banco de sangue felino fato inédito no Brasil. (AU)