Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo estrutural das enzimas arginase e fosforribosil pirofosfato sintetase i para planejamento de fármacos contra leishmaniose

Processo: 01/05119-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2001
Vigência (Término): 31 de julho de 2002
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Glaucius Oliva
Beneficiário:Edson Roberto da Silva
Instituição-sede: Instituto de Física de São Carlos (IFSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14138-2 - Center for Structural Molecular Biotechnology, AP.CEPID
Assunto(s):Arginase   Poliaminas   Cristalografia de proteínas   Purinas   Biologia molecular

Resumo

Enzimas essenciais para um parasita e ausentes no hospedeiro ou enzimas essenciais presentes no hospedeiro e no parasita e que possuam diferenças significativas em sua estrutura podem ser usadas como alvos para a farmacoterapia contra o parasita. As enzimas arginase e a fosforribosil pirofosfato sintetase 1 (PRS-l) de Leishmania são enzimas essenciais para o parasita e também estão presentes no hospedeiro. A arginase faz a hidrólise da L-arginina produzindo L-ornitina e uréia. A inibição da arginase por N(omega)-hidroxi-L-arginina controla a infecção celular de macrófagos de camundongos por Leishmania. Por outro lado os protozoários parasitas são auxotróficos pára purino-nucleotídios, de forma a serem dependentes do organismo hospedeiro para o suprimento de purinas. A aquisição de purino-nucleotídios , nestes microrganismos se faz através da fosforribosilação das bases purínicas por fosforribosil-transferases na via de recuperação. A enzima fosforribosil pirofosfato sintetase (PRS) é primordial para essa via, assim como para outras vias metabólicas. Portanto, o projeto propõe a realização de um estudo comparativo da estrutura e do funcionamento destas duas enzimas com as enzimas homólogas do hospedeiro a fim de que possam ser utilizadas como alvo farmacoterápico ha leishmaniose. (AU)