Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da fragmentação da conectividade hidrológica da Bacia do Rio Corumbataí, SP

Processo: 09/06080-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2009
Vigência (Término): 31 de maio de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Silvio Frosini de Barros Ferraz
Beneficiário:Angélica Nardo Caseri
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia da paisagem   Ecossistemas lóticos   Rio Corumbataí   Fragmentos florestais   Conectividade (ecologia)   Mapeamento geográfico   Topologia

Resumo

A conectividade hidrológica possui alta importância no dinamismo dos ecossistemas lóticos dentro de uma rede de drenagem, isto deve-se pelo fato da mesma ser responsável pelo transporte de nutrientes e seres vivos. Devido à ocupação humana nos ecossistemas naturais, cada vez mais a ligação entre os cursos da água está sendo fragmentada, gerando danos, por exemplo, na dinâmica de uma bacia hidrográfica. Neste trabalho, visa-se, primeiramente, a construção de uma base cartográfica, da bacia do rio Corumbataí, 1:50000 evidenciando a topologia hidrológica, a qual contem segmentos de rios, áreas de contribuição e represamentos, ocasionando, desta forma, a quebra da conectividade. A rede topológica será gerada a partir da extensão Flows - Functional Linkage of Basins and Streams, acoplada ao ArcGis 9.2, utilizando- se os arquivos da rede hidrológica e do modelo digital da bacia do rio Corumbataí. Posteriormente, serão calculados a direção de fluxo, as distâncias hidrológicas de pontos aleatórios da bacia e o nível de fragmentação da rede, sendo os dois primeiros essenciais para a análise do funcionamento do transporte da matéria nas conectividades hidrológicas e o último para o estudo da influência dos açudes no curso de água de uma microbacia se encontrar com outro, assim, compreendendo da melhor forma, a porcentagem do fluxo que é favorável, para o dinamismo do ecossistema lótico, e as conseqüências das quebras de conectividade. Por meio da base cartográfica, e dos estudos hidrológicos da bacia, como, a avaliação da conectividade hidrológica, a construção das áreas de contribuição, o calculo do fluxo favorável e das distâncias dentro da rede de drenagem, será possível a realização de análises espaciais incorporando métricas, índices, como distância jusante- montante entre pontos dentro da rede, proporção de descarga que um local contribui para outro, o nível de fragmentação dentro de uma rede de drenagem em função de represamentos, e, por fim, a construção de tabelas de conectividade que facilitarão o entendimento das ligações entre as microbacias. A classificação dos trechos será realizada por meio de análises multivariadas, sendo que os resultados serão úteis para o estabelecimento de estratégias de conservação da biodiversidade aquática na região. (AU)