Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da expressão de proteínas SNARE em ilhotas pancreáticas de ratos submetidos a tratamento com dexametasona

Processo: 06/51040-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2006
Vigência (Término): 31 de maio de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:José Roberto Bosqueiro
Beneficiário:Julia Laura Fernandes Abrantes
Instituição-sede: Faculdade de Ciências (FC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Resistência à insulina   Secreção de insulina   Dexametasona

Resumo

O processo de fusão de membranas, dos grânulos de insulina com a membrana plasmática, requer a presença de várias proteínas entre as quais destacam-se as proteínas da família SNARE, composta pela sintaxina, VAMP, SNAP-25 e sinaptotagminas. Muitos resultados apontam o complexo SNARE e proteínas citosólicas a ele associadas como sendo de fundamental importância para o mecanismo secretório. A deficiente secreção de insulina observada em indivíduos diabéticos levou ao estudo da expressão dessas proteínas em animais modelos de diabetes tipo 2, deixando evidente a diminuição da expressão das referidas proteínas. Os glicocorticóides são hormônios considerados como diabetogênicos por estimularem a produção de glicose hepática através da gliconeogênese e diminuírem a captação periférica de glicose. O aumento da secreção de Insulina estimulada por glicose, uma das principais características associadas a resistência à insulina, foi detectada em nosso modelo tratado com dexametasona (1mg/kg peso corpóreo, i.p, por 5 dias) in vivo. Análise da expressão gênica através de "macroarray" e dados obtidos com células AR42J indicaram o aumento na expressão de diversas proteínas do complexo SNARE apôs tratamento com dexametasona. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é investigar possíveis alterações na expressão de proteínas SNARE em ilhotas de ratos tratados in vivo com dexametasona (1mg/kg peso corpóreo, i.p, durante 5 dias). (AU)